Como aproveitar melhor o tempo com o filho

Mesmo estando dentro de casa, muitas vezes alguns cuidados essenciais acabam passando desapercebido. Cuidados esses relacionados à educação do seu filho e criação de laços fortes com eles. E tudo isso gira em torno de uma questão: como aproveitar melhor o tempo com seu filho? Afinal, para criar laços fortes, é preciso criar momentos inesquecíveis e uma sinceridade mútua.

Não é nenhum monstro de 7 cabeças. A Casa Do Sol fez uma pesquisa intensa nos principais estudos sobre pedagogia, psicologia e educação para te passar 5 dicas para aproveitar melhor o tempo com seus filhos.

O papel dos pais para aproveitar melhor o tempo com o filho

As crianças sempre vão precisar de referências. Não por acaso, os filhos quase sempre imitam o jeito de comer, andar e de falar de seus pais. Isso é feito de modo inconsciente. Afinal, são os pais que dão o “norte” de como é a vida. Por isso, entender o papel dos pais para aproveitar melhor o tempo com o filho é essencial.

Não espere o seu filho demonstrar que quer passar mais tempo com você. Faça o inverso. Crie uma atmosfera que mostre para ele o quanto essa ligação é importante.

5 dicas para aproveitar melhor o tempo com o filho

Papai Noel dos Correios: o que é e porque você deveria participar ...

1ª Dica: Olhe no olho do seu filho enquanto interage com ele

Nada adiantaria criar jogos para brincar com ele, sendo que a sua atenção está em outra coisa – seja no celular, ou nas preocupações com as contas. Use cada momento disponível com ele de forma exclusiva. Quando ele estiver falando, olhe nos olhos dele. Essa é a principal forma de conexão com outro ser humano. Ele vai sentir que você quer aproveitar melhor o tempo com ele.

2ª Dica: Siga o ritmo do seu filho

Quando for fazer alguma atividade com ele e, por alguma razão, ele possui alguma dificuldade ou até mesmo está agitado demais. Não o freie e nem o acelere. Siga o ritmo dele. Mostre que tudo bem ele ser do jeito que quiser – claro, se não tiver fazendo nada de errado. Não tente fazer com que ele seja uma cópia de você. Mostre que ele é livre para se expressar de maneira amorosa da maneira que lhe convier.

3ª Dica: Ofereça tempo e espaço para ele brincar

Até já demos algumas dicas aqui de atividades para se fazer para aproveitar melhor o tempo com o filho em casa. Elas são importantes. Mas também importante é separar um horário apenas para fazer isso com ele. Isso tem a ver também com olhar no olho de seu filho. Tenha atenção. Separe todos os dias esse tempo apenas para ele. Mostre que ele é importante e que sempre haverá espaço para ele na sua agenda.

4ª Dica: Interesse-se pela vida de seu filho

Demonstrar que a vida de seu filho é importante é crucial também para mostrar que o que ele faz é importante e que ele não ficará desemparado. Por isso, pode ser na hora do almoço ou do jantar, por exemplo, pergunte: o que aprendeu hoje na escola? Nossa, filho, viu que o filme que você mais gosta vai passar na televisão hoje? Já falou com seus amigos hoje, como eles estão? Está com vontade de comer alguma coisa? Eu estava com vontade de sorvete e você?

5ª Dica: Quebre a rotina e faça brincadeiras “bobas”

Bobas seria: cócegas, imitações… O que fizer ele rir do simples e do leve. Quebrar a rotina, de vez em quando, também é importante para quem sabe tirar um pouco da tensão que ele pode ter. Claro que não é sempre. Afinal, ser pai/mãe não é ser recreador(a). Mas, ao menos, torne as coisas mais leves e não tão rígidas. Passe mais tempo com ele nessas “quebras” – e não deixe ele se refugiar na tecnologia, por exemplo, que é um fato muito comum na Geração Alpha.

Para aproveitar melhor o tempo com o filho é só agir com o coração

Ter um plano de estudos, cuidar da saúde dele, ficar de olho na educação, assistir um filme com ele… Tudo isso é importante. Mas para aproveitar melhor o tempo com o filho, seja em qualquer que for a situação, o essencial é agir com seu coração. Dar atenção e se abrir para ele. Essa é a dica principal.

E você, o que faz para aproveitar o tempo com seu filho? Conte para gente!

Para mais dicas é só ficar de olho no nosso blog.

Como fazer um plano de estudos para as crianças?

O tempo em casa deve ser dividido entre diversão e estudos. Afinal, ficar em casa não significa “férias”. É importante ensinar os filhos a manter uma rotina de busca do conhecimento que seja leve e agradável. Dessa forma, eles irão aproveitar da melhor maneira a hora dos estudos. Para ajudar você nessa tarefa, a Casa do Sol preparou algumas dicas de como manter um plano de estudos para as crianças – mesmo em casa.

Organização é a palavra-chave

Organizar a vida estudantil de seu filho é um dos desafios enfrentados pelos pais. Isso porque a criança normalmente entende “casa” como “hora do lazer” ; e “escola” como “hora de aprender”. Mas isso não deve ser regra. Ao ter um plano de estudos para as crianças é possível ter um caminho organizado da jornada de conhecimento. Dessa forma, nem a criança, nem os pais, ficarão sobrecarregados.

A presença dos pais no plano de estudos para as crianças

Ter proatividade e estar aberto à conversa: são duas máximas a serem seguidas para ajudar a criar um plano de estudos para as crianças. A vida corrida e agitada muitas vezes faz os pais passarem parte da responsabilidade do desempenho acadêmico à escola ou ao próprio filho. Não por acaso, uma pesquisa brasileira recente já indicou que “Psicólogos têm sido solicitados a oferecer orientação a pais sobre a influência de suas atitudes no desempenho acadêmico dos filhos”.

A participação dos pais no plano de estudo para as crianças

“Tanto a escola quanto a família são instituições importantes à socialização e à educação infantil e há efeitos positivos relacionados ao envolvimento parental na vida acadêmica das crianças. Orientações deveriam ser fornecidas no sentido de prevenir problemas comportamentais, facilitando a interação dos pais na realização dos trabalhos escolares dos filhos, utilizando o encorajamento verbal e o reforço direto, o que supõe suporte e monitoramento das atividades diárias e do progresso escolar.”

Estudo: SOARES, Maria Rita e SOUZA, Silva Regina de. “Envolvimento dos pais: incentivo à habilidade de estudo em crianças”. 2004

E vamos ajudar nisso ao ensinar alguns passos simples a se colocar em prática.

Segui-los fará com que fique mais simples e agradável toda a rotina de estudos em casa.

Como montar um plano de estudos para as crianças

1º passo: Faça um cronograma com todas as atividades (de lazer e de estudos)

Organize e coloque num papel: a hora do despertar, hora de realizar as responsabilidades em casa, hora de assistir tv, de comer. Faça uma lista de todas as possíveis atividades e responsabilidades da criança.

2º passo: Defina um horário de estudos

Agora que você já sabe quais são as atividades diárias, é hora de definir o horário de estudos. Leve em consideração algumas questões importantes, como: qual o horário em que seu filho tem mais disposição?

Por exemplo, se de manhã ele está sempre ligado aos 240 V, seria uma boa ideia colocar os estudos nesse período.

Como ele está longe da escola, segundo os especialistas o ideal é reservar no máximo 2 horas ao dia para os estudos. Além disso, uma dica também é colocar um relógio perto dela para que ela não perca o foco.

Ah, e não se esqueça do período da leitura – também importante para o desenvolvimento da criança.

3º passo: Saiba o que será estudado

No plano de estudos para as crianças, é imprescindível ter uma organização das matérias e o que será feito em cada uma delas. Por exemplo: caso o horário de estudos for depois do café da manhã, coloque 8h30 às 9h30: estudar matemática (atividades de soma e subtração); 9h30 às 10h30: estudar ciências (atividades de leitura sobre a fauna e a flora) e etc. Caso tenha alguma dúvida, verifique o horário de aulas que a escola adota normalmente.

4º passo: Converse com seu filho

Nada adianta colocar horários e não conversar com seu filho sobre eles. Isto é, antes de se colocar o plano de estudos para as crianças em prática, elas devem estar cientes sobre ele. Por isso, combine com seu filho a programação: mas deixe claro que o estudo será inevitável e o que ele poderá escolher será o horário, por exemplo. Dessa forma, você mostrará o quanto isso é importante e que você estará ao lado dele quando houver alguma dificuldade.

Não tente ser perfeito(a) no plano de estudos para as crianças

É provável que um dia ou outro esse plano de estudos possa não funcionar – a criança teve outras tarefas, uma visita chegou em casa ou a família teve que sair. Entretanto, principalmente se ela estiver longe da escola, tente priorizar esse horário de estudos o quanto for necessário. Depois, é só escolher alguns filmes, jogos ou outras atividades que irão entreter todos da família. Uma vida equilibrada para toda a família é a chave para tudo fluir de maneira simples e organizada.

E você, o que faz para que seu filho mantenha uma rotina de estudos? Conte para a gente! E continue ligado(a) no blog para mais dicas !

8 filmes clássicos para ver com as crianças

Uma sessão pipoca: quem não gosta? A criançada adora se juntar no sofá com os pais para entrar em diferentes mundos, histórias e aventuras. Além de ser uma diversão e tanto para ela, é ótimo para estreitar os laços familiares. Pensando nisso, a Casa do Sol separou 8 filmes clássicos para ver com as crianças – todos disponíveis no Netflix!.

Filmes clássicos para ver com as crianças: amplie o repertório cultural

Assistir a um filme clássico vai muito além de simplesmente “passar um tempo”. O cinema tem uma boa participação na formação do repertório cultural das pessoas – principalmente na lembrança. Não por acaso, há diversos estudos que apontam que o cinema torna “a criança e a infância que lhe é correlata “visíveis” e “enunciáveis”, como processos constituidores da verdade, mesmo que a verdade seja sempre entendida como interpretação, como perspectivismo”. E sabe quem falou isso? Nietzsche!

Em outras palavras, ter na mão esses filmes clássicos para ver com as crianças é uma bela maneira de criar um espaço de memória – onde será construída a noção de “vida”. Filosófico, né? Podemos dizer também o bom e velho: relembrar é viver!

8 filmes clássicos para ver com as crianças

Separamos aqui uma lista de obras clássicas de fantasia, aventura e comédia que certamente marcaram a sua vida e, agora, podem marcar a vida de seu filho também. O melhor de tudo é que eles todos estão disponíveis no Netflix. Então, fica facinho, facinho de encontra-los.

Coloca o milho para estourar, que a sessão já vai começar!

1. A família Adams (1991)

Resultado de imagem para familia adams 1991
Reprodução ImdB

Dirigido por: Barry Sonnenfeld. A família Adams é um clássico dos clássicos. O pai da família, Gomez Adams, lamenta o desaparecimento de seu irmão Funério. Até que um homem chega à casa da Família Adams dizendo ser Funério. Mas tudo começa a ficar estranho… Risadas garantidas!

2. Abracadabra (1993)

Resultado de imagem para abracadabra filme gif
Garotasgeeks.com

Dirigido por: Kenny Ortega. História das irmãs Winnie, Sarah e Mary, que foram condenadas à morte no século 17 por serem bruxas. Acidentalmente, 300 anos depois, elas ressuscitam e começam uma caçada em busca de juventude e imortalidade. Mas tudo sempre acaba mal, graças a três crianças e um gato falante.

3. E.T. – O extraterrestre (1982)

Resultado de imagem para et filme
Reprodução

Dirigido por: Steven Spielberg. O filme conta a história de um garoto que, por acaso, encontra um ser muito simpático de outro planeta. Cria-se uma amizade e a criança tenta proteger seu novo amigo a qualquer custo para que ele não vire experimento científico. Uma história de amizade e companheirismo interplanetário.

4. Querida, Estiquei o bebê (1992)

Resultado de imagem para querida estiquei o bebê
Reprodução

Dirigido por: Randal Kleiser. O atrapalhado cientista Wayne quer aproveitar a saidinha da sua esposa para realizar um experimento um tanto quanto curioso – e desastroso. As cobaias? Os próprios filhos. O caçula Adam acaba exposto a uma carga elétrica que o transforma em um bebê gigante. Começa-se a trapalhada por toda a cidade de Los Angeles. Quem vai parar esse bebê?

5. Operação Cupido (1998)

Resultado de imagem para operação cupido gif
Reprodução

Dirigido por: Nancy Meyers. Um dos primeiros filmes da atriz Lindsay Lohan. As irmãs gêmeas Hallie e Annie foram separadas ainda pequenas: uma criada pela mãe e outra pelo pai. Entretanto, as duas se encontram em um acampamento de verão e descobrem que são irmãs. Porém, na hora de voltar para casa, elas trocam de lugar e começam um plano para juntar a família novamente.

6. Karate Kid 3 – O desafio final

Resultado de imagem para karate kid 3
Reprodução

Dirigido por: John G. Avildsen. O garoto Daniel é desafiado para uma luta final de karatê para enfrentar um lutador que quer destruir seu mestre, Miyagi. Primeiramente, o desafio é recusado. Mas depois acontecem algumas coisas que fazem o garoto aceitar. Para Miyagi, no entando, a luta deve ser utilizada para defender a honra e a vida, e não troféus. Uma história de coragem e determinação.

7. Vida de Inseto (1998)

Resultado de imagem para vida de inseto
Reprodução

Filk é uma formiga cheia de ideias, mas sempre causa problemas na sua colônia. O último acidente foi destruir todos os alimentos que seriam usados para o pagamento ao gafanhoto Hopper – que exigiu ou dobro ou, se não, aniquilaria a colônia. Filk então começa a recrutar combatentes a defender o local até encontrar um bando de insetos de circo.

8. Matilda (1996)

Resultado de imagem para matilda
Reprodução

Matilda é uma criança super abençoada e, por isso, seus pais não a deixam frequentar a escola. Após muita insistência, ela consegue ir à escola e descobre que seus talentos serão necessários para proteger os amigos e sua professora da malvada diretora.

Um pouco por dia está ótimo!

Depois de ver alguns filmes, é bom sair um pouco da tv. Apesar de termos muita disponibilidade tecnológica para entreter as crianças, não se esqueça que é sempre bom fazer outras atividades offline. Separamos aqui alguns jogos e outras atividades para te inspirar! E agora conta: que filme marcou sua infância?

8 jogos para brincar dentro de casa

Começou a chover? Seu filho ficou doente? Ou por qualquer outra razão a família toda deve ficar dentro de casa? Vai ser inevitável: a criança vai começar a ficar ansiosa por não gastar a energia. Já fizemos aqui uma lista de coisas e atividades para se fazer com seu filho em casa. Agora é hora de reunir a família toda para começar alguns jogos para brincar dentro de casa. Separamos aqui aquelas que achamos que você e seu filho mais vai gostar.

Jogos para brincar dentro de casa que ensinam e entretêm

Brincar com seu filho por meio de jogos é uma ótima opção para estreitar os laços familiares. Afinal, é comum que os pais trabalhem fora de casa, que tenham seus próprios afazeres e, por causa da facilidade das novas tecnologias, oferecem dispositivos eletrônicos para entreter seus filhos. Entretanto, isso é uma maneira não muito boa de lidar com os pequenos – principalmente esses da geração Alpha.

E pesquisas já mostraram isso. Um estudo da Unicef em 12 países com pais de crianças de cinco e 12 anos apontou que metade das famílias dizem que não têm tempo para brincar com os filhos. Por isso, é importante ir na contramão e participar mais da vida de seu filho de forma com que se crie laços familiares fortes e boas memórias – tanto para você, quanto para ele.

Os jogos para brincar dentro de casa é a forma ideal para entreter seu filho ao mesmo tempo em que ajudam a ensinar os valores familiares.

Jogos para brincar dentro de casa

1. Construção

Não é preciso ter os famosos Legos para que se brinque de construção. Use a imaginação e utilize rolos de papel, caixas, palitos… A imaginação corre solta. Depois de fazer a construção que vocês queiram, a hora é de pintar! Use tinta guache – é melhor para seu filho conseguir pintar com mais facilidade e não suja tanto.

2. Mágica e adivinhação

Brincar de mágico não é tão difícil quanto parece. Comece com o simples. Pegue três copos (que não sejam transparentes) e coloque uma moeda embaixo de um deles. Misture os copos com rapidez e pergunte “onde está”? Aqui tem mais algumas ideias para você.

3. Estátua

Hora de dançar… e parar! Coloque a música que seu filho mais gosta e comece a dançar com bastante energia. De repente, pare a música. A ideia é que todos fiquem parados exatamente como estão. Sem se mexer. Uma boa oportunidade de dar belas risadas.

4. Caça ao tesouro

Pegue um objeto que ela goste ou até mesmo um pedacinho de bolo… Esconda em um lugar pela casa e fale para a criança procurar. Conforme ela for chegando perto, vá falando: quente! Se ela estiver longe: frio! Uma ótima maneira de incentivar o espírito curioso de seu filho.

5. Esconde-esconde

Independentemente do tamanho de sua casa, brincar de esconde-esconde é sempre uma diversão. Caso a sua casa for pequena, fale para a criança se esconder (afinal, ela cabe em mais lugares!).

6. Batata quente

Pegue um objeto e comece a passar de uma pessoa para a outra cantando “batata-quente”… De repente, fale: parou. Como a atividade será feita em família, dê algum desafio para a pessoa “queimada” fazer ou até mesmo pinte a cara dele. Risadas garantidas!

7. Mímica

Esse é um clássico na lista de jogos dentro de casa. Escolham um tema (filme, animal, celebridade…) e revezes nas adivinhações.

8. Adedanha ou STOP

Esse é um jogo de conhecimentos gerais. Cada um pega uma folha e a família inteira escolhe as categorias: Nome, frutas, cidade/estado/país, nomes de filmes etc. Depois, sorteiem uma letra aleatoriamente. Cada um deve completar as colunas com palavras que comecem com a letra sorteada. O primeiro que acabar grita: STOP! Agora é só comparar as respostas.

Faça dos jogos para brincar dentro de casa uma constante

Brincar com o seu filho deve ser algo comum. Além disso, o tempo dentro de casa vai passar ainda mais rápido. E quando puderem sair de casa, façam outros tipos de brincadeira ao ar livre. Não há certo ou errado. O ideal é ter momentos de diversão, livres da rotina e que levem seus filhos a criar um laço de confiança com você, ao mesmo tempo em que se estimula a criatividade, a proatividade e a resiliência. Gostou desses jogos para brincar dentro de casa?

7 dicas para melhorar o sistema imunológico de seu filho

Resfriados e gripes são fatos na vida de qualquer criança. Entretanto, há maneiras de fazer com que o sistema imunológico dela tenha um boost e que ou ela não pegue a doença ou, no mínimo, ela passe mais rapidamente. Por isso, separamos aqui 7 dicas para melhorar o sistema imunológico de seu filho.

Por que melhorar o sistema imunológico?

Para proteger seu filho da infinita variedade de germes e vírus que tem por aí não basta – e nem é aconselhável – colocar eles em uma “bolha” – salvo em casos de epidemia. O professor associado da Universidade de Maryland, Charles Shubin, ressaltou isso em entrevista ao site “Parents”: “Todos nós começamos a nossa vida com um sistema imunológico inexperimente”. Dessa forma, lentamente as crianças começam a melhorar o sistema imunológico ao serem expostas a uma série de germes, vírus e bactérias do dia a dia.

Contudo, todo cuidado é necessário quando estamos face a novos vírus perigosos por aí – como o caso recente do coronavírus (COVID-19), que possui as crianças como principais vetores da doença.

7 dicas para melhorar o sistema imunológico de seu filho

1. Sirva mais frutas e vegetais a ele

Estamos em um país tropical e temos diferentes alternativas: de banana ao kiwi; da abóbora à cenoura. Uma boa escolha é escolher os alimentos ricos em carotenoides, como a cenoura, o feijão verde, os morangos e as laranjas. Os carotenoides são fitonutrientes essenciais para melhorar o sistema imunológico ao aumentarem a quantidade de interfron, um anticorpo que reveste a superfície as células – bloqueando a “chegada” dos vírus.

2. Preste atenção à hora do sono

A privação de sono é um fator de risco para a imunidade dos adultos ao desacelerar a produção de anticorpos no corpo. E a mesma lógica é verdadeira para as crianças. Além disso, as crianças normalmente precisam de mais horas de sono do que os adultos. Uma criança pode precisar de 11 a 16 horas de sono por dia.

3. Faça exercício físico com ele

No parque, no condomínio, na rua ou até mesmo em casa. Mantenha seu filho se exercitando sempre – isso é essencial para manter o sistema imunológico funcionando corretamente. Algumas formas de se exercitar com seu filho são a dança, pequenas competições e jogar bola.

4. Lave as mãos dele – e a ensine como!

Essa técnica não necessariamente vai melhorar o sistema imunológico de seu filho diretamente. Entretanto, é uma bela maneira de diminuir o stress no sistema imune da criança ao afastá-la dos germes. Ensine a criança a lavar a mão sempre que sair, que tocar no nariz, na boca. Além disso, lembre-a que é preciso lavar com sabão, entre os dedos, os punhos e que todo o processo deve durar 20 segundos (o tempo de cantar duas vezes “Parabéns para você”).

5. Afaste-o da fumaça de cigarro

Apesar da quantidade de fumantes estar diminuindo, muitas casas possuem pais que fumam. A fumaça do cigarro contém mais de 7.000 substâncias químicas maléficas à saúde – e ao sistema imune do seu filho, além de aumentar o risco de desenvolvimento de bronquites, infecções e até asma. Por isso, afaste-o de ambientes que possui fumaça de cigarro. Isso será bom para você também.

6. Aumente a quantidade de probióticos naturais

Uma boa flora intestinal é essencial para manter uma boa saúde – isso para adultos e para as crianças. É no intestino, por exemplo, que começa a produção dos anticorpos e a resposta imunológica. Insira alimentos como: iogurtes probióticos, kombucha, picles, kefir, azeitonas curadas, misô, vinagre de maçã etc.

7. Use óleos essenciais

Pesquisas demonstram que alguns óleos essenciais, como de eucalipto e de orégano, funcionam como imuno-impulsionadores. Eles têm capacidade antibacteriana e de modulação imunológica. Tente difundi-los em seu ambiente interno para apoiar a imunidade de toda a família. O eucalipto tem um efeito energizante e o óleo essencial de orégano de qualidade alimentar pode ser adicionado às refeições para melhorar o sabor, bem como o sistema imunológico do seu filho.

Esteja ao lado de seu filho… de bom humor!

Além dessas dicas práticas, saiba que ficar ao lado de seu filho é o melhor boost para seu sistema imunológico. Uma pesquisa da Universidade da Noruega mostrou que os participantes mais bem humorados tinham o risco de morte reduzido em duas vezes. Por isso, tenha sempre uma atitude positiva com as crianças. Toda a família pode colher os benefícios dessas dicas simples e eficientes, não acha?

Filho dentro de casa? 7 atividades para se fazer com ele!

Por vezes, seja por questões de saúde, dias de chuva ou férias escolares antecipadas, as crianças devem ficar em casa. E agora, o que fazer com elas? Ao invés de deixar os filhos o tempo inteiro à mercê das tecnologias – jogando no celular, vídeo games, televisão e computador -, que tal usar esse tempo para fazer atividades com os pequenos e se divertir?

A imaginação e a criatividade devem vir à tona. Afinal, chega uma hora que as ideias parecem se esgotar. Mas fique tranquilo(a), separamos 7 coisas para se fazer com o filho dentro de casa. E o melhor: cada uma delas tem um intuito e um benefício.

7 coisas para se fazer com o filho dentro de casa

Seja qual atividade escolhida, cada uma vai contribuir, à sua maneira, para fortalecer os laços entre pais e filhos. Crie memórias inesquecíveis com seu filho!

Faça uma oficina de teatro

Sabe aquelas roupas coloridas, acessórios de carnaval, maquiagens do fundo da gaveta e perucas engraçadas guardadas no armário? Com o seu filho dentro de casa, que tal reunir tudo isso e montar um figurino bem legal para entrar no clima de teatro? Afaste os móveis da sala e invente uma história com seu filho – deixe a imaginação fluir.

Ah, e participe também! Fantasie-se, faça parte desse mundo imaginário e garanta boas gargalhadas e emoções para toda família!

Depois de tanta energia, nada melhor do que aquele lanchinho, não é?

Cozinhe com seu filho dentro de casa

Faça a criança participar da preparação do seu próprio lanche. Escolha junto com seu filho uma receita prática e saudável. Faça a divisão das tarefas: cada um pode ficar com uma etapa do preparo – assim todos participam e você consegue monitorar o que seu filho está fazendo.

Depois, é só deliciar-se. A criançada vai ficar super feliz e orgulhosa de fazer algo com você – e além disso algo muito gostoso!

Acampe em casa

Não precisa ter uma barraca propriamente dita. Use lençóis e travesseiros e os apoie em mesas e cadeiras para fazer uma “cabaninha”. Claro, peça ajuda! Seu filho vai até esquecer que está dentro de casa e esse espaço irá criar um clima super gostoso para as próximas atividades.

Conte histórias

Com a barriga cheia dá um soninho… Por isso, agora é o momento ideal e pegar aquele livro infantil na estante. Já que seu filho está dentro de casa, use desse tempo para ficar juntinho dele. E a contação de histórias é uma das melhores alternativas, além de ser importante para o desenvolvimento da imaginação das crianças e para o aperfeiçoamento da língua portuguesa.

Assim, os livros são bem vindos em qualquer situação. Se transformar a contação de histórias em uma rotina, seu filho ficará cada vez mais encantado com a literatura – crucial para seu desenvolvimento humano.

Desenhe e pinte

Lápis, papel, giz de cera, tinta… Seja qual for o material, desenhar e pintar é uma ótima criatividade. Pode deixar um “tema livre” ou você e seu filho podem desenhar sobre algo específico: uma viagem inesquecível, um momento especial, a profissão que ele gostaria de ter… Conforme os desenhos forem ficando prontos, pendure-os num cantinho para mostrar como eles são importantes para todos!

Campeonato de jogos

Pode ser um jogo de tabuleiro ou até mesmo um jogo de grupo – ainda evite os jogos eletrônicos! Que tal brincar de mímica? Adivinhação de músicas? Quebra-cabeça? Baralho? As opções são várias. Além do seu filho se divertir, esse momento será ótimo para promover boas risadas e para ensiná-las sobre o que é ganhar e perder

Hora de dançar!

Coloque uma música bem agitada e divertida – ou aquela que seu filho mais gosta. É hora de soltar o corpo! Dance com ele, pule e agite-se! Além de ser ótimo para arrancar belos sorrisos, vai desenferrujar um pouco o corpo da criança – que precisa muito de atividade.

Filho dentro de casa também é diversão

Essas simples ideias são super eficientes. Mesmo com seu filho dentro de casa, elas vão mostrar a ele que há como se divertir em família e longe de qualquer tecnologia. Isso é saudável e muito importante não só para a criança, mas para toda a família.

Teatro para crianças: por que seu filho deve fazer

Muito além das matérias da grade como escolar – matemática, português e história – a formação completa dos pequenos também passa com o saber se relacionar com os colegas, com o mundo e consigo mesmos. Certamente a grade escolar faz parte dos conhecimentos fundamentais, mas um ensino diversificado e completo com atividades extracurriculares é essencial – principalmente nos dias de hoje. E uma das ótimas opções é o teatro para crianças.

Que tal saber um pouco mais sobre como o teatro pode beneficiar o desenvolvimento cognitivo do seu filho?

Teatro para crianças: Abram-se as cortinas!

O teatro é a forma pela qual o ator, o diretor, o produtor a até o escritor se comunicam com a sociedade. Eles trazem questões reais do nosso dia a dia configuradas em cenas imaginárias. Assim, toda e qualquer peça tem algo a dizer, a ensinar e a nos fazer refletir. É um dos meios de comunicação e de expressão mais antigos que temos – lembre-se, o teatro surgiu na Grécia no século VI A.C. (Antes de Cristo).

Essa arte está presente na história da humanidade há séculos. Seja em grandes espetáculos ou pequenas apresentações, toda peça tem a capacidade de nos emocionar de alguma forma. E toda a preparação que leva ao ato é enriquecedora. As técnicas teatrais envolvem corpo, voz e mente. É a possibilidade de enxergar novas formas de se comunicar e de se relacionar – com seus colegas e também com sua família. Isso porque as atividades envolvem:

  • Atividades em grupo;
  • Desenvolvimento de aceitação pessoal;
  • Auto-conhecimento; e
  • Percepção do espaço.

O teatro é para todo mundo

Não é apenas a prática da atuação, as aulas de teatro vão além. A montagem de uma peça envolve não só um “decoreba” de falas. As crianças se envolvem em todo um processo antes do dia da estreia. Esse processo inclui a escolha dos atores que irão representar cada personagem; cenário; figurino; organização das cenas etc.

Por isso, mesmo aquelas crianças que não se sentem à vontade ou simplesmente não querem atuar no palco, podem participar da criação do espetáculo. Assim, ela vai aproveitar os benefícios das aulas sem precisar estar no palco. A criança contribuirá à sua maneira e aprenderá a trabalhar em equipe e a ver os talentos individuais de cada um.

O teatro para crianças é uma criação de todos!

Benefícios do teatro

Matricular seu filho em um curso de teatro é oferecer a ele um mundo de possibilidades. Alguns dos benefícios do teatro para crianças que podemos citar são:

– Melhora as habilidades sociais: faz o seu filho se colocar no lugar do outro e a desenvolver empatia. Para uma peça dar certo, todas as crianças deverão contribuir – e isso mostra à criança a importância da coletividade.

– Melhora a autoestima – Os aplausos no final da peça são como um acalento para o coração. Ver que é possível fazer uma peça legal e bem feita e ainda participar de tudo isso favorece a autoconfiança e faz seu filho sentir-se melhor consigo mesmo. É como dizer: “nossa, eu sou capaz de fazer isso também!”

– Ensina o que é responsabilidade – O comprometimento com as aulas de teatro é imprescindível para que, no dia da peça, dê tudo certo. O teatro faz com que a criança entenda que existem regras, horários, que outras pessoas contam com ela e etc.

– Aumenta o repertório cultural – O teatro é uma das sete artes e não é à toa. Toda aula de teatro engloba uma série de outras artes no seu desenvolvimento: música, literatura, moda e arquitetura. O mundo dela será ampliado, assim como seu interesse cultural.

– Melhora a coordenação motora e dicção – As aulas de teatro trabalham muito com o corpo e a voz. Assim, invariavelmente seu filho aprimorará sua coordenação motora e dicção.

– Amplia a consciência corporal – Nas atividades desenvolvidas nas aulas há uma série de exercícios para os alunos se soltarem no palco. Isso favorece imensamente a sua consciência corporal.

Teatro é para todas as crianças

O teatro para crianças não é apenas para aquelas que já são extrovertidas ou desinibidas. Se seu filho é tímido, talvez essa atividade seja uma boa pedida para ele conseguir se soltar mais, ganhar mais confiança em si mesmos e, quem sabe, descobrir um novo talento. O teatro é para qualquer tipo de criança – independentemente da idade ou personalidade.

Amplie os horizontes do seu filho com as aulas de teatro: ele te agradecerá muito no futuro!

A importância das atividades extracurriculares

As atividades extracurriculares vão além de um mero momento de diversão: é a hora de despertar a criatividade e o talento de seu filho. Dança, teatro, culinária, robótica… As opções são inúmeras e, após muitos anos de estudos na hora de psicopedagogia, constatou-se que as atividades extracurriculares são um ponto chave na formação da criança e adolescente.

Para explicar melhor como as atividades extracurriculares desempenham um papel importante na vida de seu filho, separamos algumas informações importantes que todos pais e cuidadores devem saber sobre o assunto.

Atividades Extracurriculares: o que são?

Desde meados de 1900 já existem relatos de educadores que já entendiam as atividades extracurriculares como cruciais para o desenvolvimento infantil. A psicopedagogia considera como atividade extracurricular todo curso, oficina ou eventos que fazem parte do tempo livre da criança. Por meio delas as crianças e adolescentes podem adquirir outros tipos de conhecimentos que não são ofertados na grade normal das escolas. Assim, é como um currículo paralelo ao obrigatório

As atividades extracurriculares não são obrigatórias, mas são excelentes ferramentas para aumentar a bagagem de conhecimento e desenvolver habilidades essenciais como socialização, disciplina, criatividade, concentração e afetividade. O filósofo e psicólogo francês Henri Wallon já postulou que a afetividade é o princípio da integração das dimensões motora, cognitiva e afetiva.

Alguns exemplos de atividades extracurriculares que podemos citar são:

  • Teatro;
  • Robótica;
  • Culinária;
  • Música;
  • Dança;
  • Sustentabilidade; etc.

MEC informa: atividades extracurriculares devem fazer parte da formação

Até o Ministério da Educação e Cidadania (MEC) sublinha a importância de oferecer atividades extracurriculares na formação do seu filho. Segundo o ministério, toda a atividade cumprida com o intuito de uma estimulação cognitiva de diferentes áreas, “traz um ganho significativo tanto no desempenho acadêmico quanto na formação geral do indivíduo”. Ou seja, a criança e o adolescente possuem um melhor desempenho socioafetivo.

Já um trabalho elaborado em 2004 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) identificou, a partir da análise dos resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que os alunos que tinham acesso a atividades extracurriculares apresentaram um melhor desempenho no exame. A diferença foi até de 17 pontos a mais daqueles que não tiveram essa oportunidade.

As atividades extracurriculares deixam seu filho mais feliz

Além de ajudar no desempenho escolar de seu filho, as atividades extracurriculares podem até ajudar na melhora da autoestima. De acordo com um estudo feito da Universidade Fernando Pessoa, em Portugal, a participação em aulas de teatro, robótica e culinária, por exemplo, diminui as chances do aluno apresentar quadros depressivos. Além disso, suas queixas físicas de qualquer forma diminuem e se apresenta um maior e mais significativo envolvimento na escola.

Já é comprovado que a motivação escolar é determinante para a qualidade da aprendizagem e do rendimento escolar. É a chamada Teoria da Autodeterminação, trabalhada de forma intensa nas atividades extracurriculares. Essa Teoria, consolidada no ramo da psicopedagogia, defende que o ser humano tem a capacidade “natural de procurar desafios e novidades para os conquistar e assim exercitar as suas capacidades e desenvolver novas competências, através da motivação intrínseca”.

3 motivos para matricular seu filho em uma atividade extracurricular

Nada melhor do que sintetizar uma ideia para entender o quanto ela é importante. Por isso, separamos 3 motivos básicos que vão te ajudar a compreender como as atividades extracurriculares podem ser benéficas para seu filho.

Promove as capacidades inatas

As crianças e adolescentes costumam escolher as atividades extracurriculares a depender das preferências pessoais. Ou seja, é uma oportunidade para expressar seus talentos e capacidades que podem estar “adormecidas”

Desenvolve o sentido de competência

Quando o seu filho começar a praticar as atividades extracurriculares, ele vai perceber que ele é competente em áreas até então desconhecidas. Além de elevar a autoestima e motivação, isso ensinará a ele que é possível explorar talentos e capacidades em diversas áreas do conhecimento. Assim, ele se tornará um adulto mais seguro e confiante.

Evita a evasão escolar

Você já deve ter passado por aqueles dias em que seu filho não quer ir à escola? Matriculá-lo em um curso extracurricular é uma boa maneira de evitar a evasão escolar. Ao se sentir mais motivado e capaz de realizar diferentes tarefas, seu desejo por aprender será cada vez maior.

Invista no futuro do seu filho

Além de ser um momento de diversão para a criança e adolescente, as atividades extracurriculares fazem parte de um dos pilares para o desenvolvimento integral do seu filho. É aprender brincando. É descobrir o mundo fazendo o que se gosta. É expandir os horizontes. Teatro, robótica, culinária, música… Seja qual for a escolha, seu filho sairá melhor do que antes – como aluno e como indivíduo.

Projeções Mapeadas: o que são e por que usar?

Antes de tudo… Veja esse vídeo abaixo.

Começamos com o vídeo da estrela da música pop Beyoncé. Muitos jovens amam a cantora e não é por acaso: as músicas dela falam de empoderamento e dão energia para dançar até dizer chega. A queridinha do público é uma das que usam a tecnologia das Projeções Mapeadas – isso mesmo que estava atrás dela, respondendo a todos os seus movimentos. O que muita gente não sabe é que essa tecnologia pode ser usada desde em eventos corporativos a festas infantis. É a opção dinâmica, interativa e sensorial para fazer qualquer evento virar inesquecível.

Por que a sua próxima festa deve ter projeção mapeada

Quebrar o formato tradicional do audiovisual em festas – muitas vezes refém às projeções de slides ou vídeos em uma parede em branco: essa é a prerrogativa da projeção mapeada, também conhecida como mapping. Criada nos anos 1990 e utilizada principalmente na Disneylândia até então, ela é uma ferramenta interessante para adicionar movimento, cor e performance a qualquer tipo de superfície. Ou seja: as imagens “respondem” aos movimentos dos participantes da festa.

Ou seja, a técnica consiste na projeção de vídeo em diversas superfícies. Os vídeos, por sua vez, interagem também com as irregularidades da superfície e cria uma experiência única de mídia.

A tecnologia, utilizada no ramo do entretenimento e principalmente em grandes shows, utiliza-se de um software especializado. Esse software mapeia espacialmente um objeto bidimensional ou tridimensional. Dessa forma, com a ajuda de um VJ (Video Jocker – como se fosse o DJ da projeção mapeada), qualquer objeto ou espaço pode virar uma tela interativa e disruptiva.

A técnica é tão aclamada que há até um prêmio para a melhor projeção e VJ do ano. O prêmio, denominado iMapp, conta com projeções de tirar o fôlego. Como essa, que ganhou o iMapp de 2016:

Dos grandes shows, para qualquer festa

Outro evento marcante que contou com o mapping foi a abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro:

Apesar de ser comum vê-las em eventos grandes, as projeções mapeadas, hoje em dia, podem ser utilizadas também em festas de pequeno a médio porte. Tudo vai depender da disponibilidade tecnológica do estabelecimento. O mapping pode ser separado em quatro categorias distintas:

  • VJ: utilizado em eventos “ao vivo” aonde uma pessoa é dedicada para fazer a projeção interagir ou com a música, ou com os movimentos corpóreos. Essa categoria é ótima para quem busca uma projeção dinâmica com combinações de efeitos realizados especialmente para determinada ocasião.
  • Teatral: as projeções são pré-definidas. Geralmente utilizada em performances de danças ou no teatro.
  • Estático / Interativo: um monitor é configurado para circular e interagir com o ambiente via programação;
  • Vídeo: as projeções também são pré-definidas, mas não possuem movimento. É um único vídeo, não interativo e reproduzido do começo ao fim.

Hoje em dia, apenas a Casa do Sol conta com um software e VJ – esse mesmo, utilizado em grandes eventos do entretenimento – disponíveis para festas infantis.

Como planejar?

A escolha de como será a projeção vai depender tanto de quem está fazendo a festa, quanto do ambiente ou temas escolhidos para a ocasião. Por se tratar de uma tecnologia de projeção e contar com um VJ, as possibilidades são inúmeras. Para realizar o planejamento do mapping, tais pontos já precisam estar definidos:

  • Qual superfície será feita a projeção;
  • Como as crianças/adultos podem interagir com esse espaço e se surpreenderem;
  • Tempo de duração do conteúdo;
  • Conteúdo a ser exibido.

São pontos simples, mas que fazem a diferença para que o VJ consiga criar a projeção perfeita para a ocasião.

Quanto custa?

Os melhores resultados só podem ser alcançados com as melhores empresas. Afinal, o projeto de projeções mapeadas envolve tecnologia de última geração e requer uma grande infraestrutura e planejamento por trás. O valor, por sua vez, vai depender do tamanho do mapping, da luminosidade do local (quanto mais claro, maior será o gasto) e a complexidade do conteúdo escolhido.

Impressione e seja impressionado(a) com as projeções mapeadas

Somos bombardeados por conteúdo audiovisual o tempo todo. O número de telas em nossa volta é cada vez maior. Segundo um estudo da Universidade da Califórnia, consumimos cerca de 34 GB de informações por dia. É muita coisa. E o que acontece? Parte delas acaba sendo esquecida rapidamente.

Portanto, é preciso criar diferenciais, maneiras de chamar atenção. Para isso, nada melhor do que sair do óbvio com as projeções mapeadas. É a maneira de impressionar e ser impressionado(a) e fazer com que a festa torne-se inesquecível e personalizada.

A Casa do Sol é o primeiro buffet brasileiro a trazer essa novidade para o ambiente de festas infantis.

Geração Alpha: como lidar?

Se o seu filho(a) tem menos de 9 anos, você já deve ter notado uma predisposição para manter-se sempre conectado. Já consegue usar o celular sozinho, ver os vídeos que quer… Essa é uma das principais características da geração nascida no século XXI. E entender como se distinguem as divisões geracionais ajuda a compreender o impacto sociocultural da passagem do tempo no núcleo familiar e na sociedade. Então, a pergunta que fica é: como lidar com a geração alpha?

Geração Alpha: hiperconectividade é a sua palavra

Em 2010 a Sociedade Americana de Dialetos identificava a palavra “app” como a mais usada. No mesmo ano, nasciam as crianças da geração alpha. Não por acaso, a hiperconectividade é uma das marcas desse grupo. Estimulados à interatividade e acostumados com a presença de telas desde o primeiro dia de vida, os filhos dessa época chegam ao mundo cheio de estímulos tecnológicos.

A disponibilidade de uma grande quantidade de informações redefine os padrões de comportamento até então vistos nas outras gerações.

Entendendo as gerações

Para saber como lidar com a geração alpha, é preciso compreender como ela se modifica das outras que vieram antes. Resumidamente, podemos separar as gerações por:

  • Geração X: nascidos entre 1960 e 1980, eles priorizam os próprios interesses e buscam equilíbrio entre a vida profissional e pessoal;
  • Geração Y: nascidos entre 1980 e 1995, são otimistas, informais e impacientes. A admiração pelo outro surge da competência e não da hierarquia;
  • Geração Z: nascidos entre 1996 e 2010, são conhecidos por serem nativos digitais e tendem a ser inovadores, criativos e conectados. Buscam criar uma cultura mais colaborativa;
  • Geração Alpha: nascidos de 2010 em diante, eles são livres, questionadores, hiperconectados e interagem com a tecnologia desde o nascimento.

Comportamento da Geração Alpha

Um estudo do Gloob, canal focado nessa geração, identificou as principais características da geração alpha. Um dos pontos centrais do estudo compreendeu que para esse grupo há uma necessidade inata de interagir com os meios – afinal, as opções de entretenimento infantil nunca foram tão vastas.

Eles utilizam a internet para explicar e gerar experiências, a televisão para apresentar informações e desenhos e os amigos para validar e gerar status.

Engana-se quem pensa que a televisão foi abandonada por essa geração. A pesquisa do Gloob identificou que 83% das crianças sabem das novidades por meio da televisão e 81% por meio de sites de canais infantis.

Com essa hiperconectividade e acesso fácil à informação, saber como ensinar esse grupo é importante. Os paradigmas são outros e a forma de se passa um aprendizado também. Afinal, se a disponibilidade de informação é ampliada, há outro tipo de problema envolvido: a falta de contato emocional.

Em entrevista para a revista Crescer, o pediatra Cláudio Barsanti, presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, afirma: “Essa é uma geração tecnológica, com o desenvolvimento de algumas habilidades bastante superiores. Porém, o maior problema será em relação a inteligência emocional”. Além disso, o pediatra acredita que na adolescência o principal desafio para essa geração será o desinteresse pelas relações familiares, descumprimento de responsabilidades e problemas de rendimento escolar.

Contudo, com ajuda da família e da escola, é possível mudar esse prognóstico.

Como lidar com a geração alpha

Cada família encontrará uma maneira de lidar com a criança. Entretanto, existem algumas dicas que podem ser seguidas para que seu filho cresça e utilize para seu bem todo o arsenal tecnológico disponível.

  • Imponha limites: evite o contato de seu filho com aparelhos eletrônicos até ele completar 2 anos de idade. Nessa fase o aprendizado deve ser voltado para o social;
  • Uso gradual da tecnologia: não forneça todo o aparato tecnológico disponível de uma vez. A partir dos 3 anos, faça essa inserção de forma gradual.
  • Defina regras: uma das principais características dessa geração é a impulsividade. Por isso, impor regras desde cedo é importante – como, por exemplo, tempo de assistir TV, tempo de fazer a lição de casa e etc.
  • Matricule-o em um curso extracurricular: mostre que há diversão fora das telas. Uma boa alternativa é inscrevê-lo em cursos extracurriculares que o agradem – natação, robótica, música…

Eles vão transformar o mundo…

A realidade tecnológica mudou a forma de se pensar e de se relacionar. O segredo para lidar com essa geração é controlar a quantidade e a qualidade dos estímulos. Uma escola com valores sólidos, amizades interessantes e uma vida que não se baseie apenas em telas: essas são as bases para um crescimento saudável do filho da geração alpha.