Posts

Um papo sobre Beleza com seu/sua filho(a)

O que é ser lindo(a), afinal? É uma pergunta que todos nós fazemos em algum momento de nossas vidas. Também é uma pergunta que muitos de nós lutamos para responder de uma forma que nos satisfaça. Mas e se pudéssemos mudar o discurso sobre beleza para nossa filha? E se pudéssemos dar aos nossos filhos uma imagem da beleza que eles podem abraçar – uma imagem que eles podem ver todos os dias olhando para eles no espelho?

Como falar sobre beleza com a minha filha?

Gail Saltz, professora associada de psiquiatria do Hospital Presbiteriano de Nova York, em entrevista para a revista Time, diz que há maneiras de falar sobre beleza a depender da idade da sua filha.

O principal, para a especialista, é saber que a vergonha de si mesma está “entre os sentimentos mais debilitantes” que podemos ter. “Isso pode tornar difícil sair para o mundo e fazer qualquer coisa, desde atividades atléticas para trabalhar até encontrar outras pessoas importantes.”

E hoje, muitas crianças sentem vergonha de seus corpos. Para as meninas, que crescem em um mundo cheio de photoshop e cirurgia plástica, “existem algumas formas realmente extremas de conotação de beleza”, diz Saltz. “E a pressão também está alta para os meninos de uma forma que nunca existiu.”

Então, como os pais podem ajudar os filhos a se sentirem bem com seus corpos?

Para começar, diz Saltz, os pais precisam “colocar suas próprias máscaras de oxigênio primeiro”: estar em contato com seus próprios sentimentos sobre seus corpos. “Se você quer que sua filha goste do tamanho dela, mas está constantemente dizendo que não gosta do seu, isso terá um impacto maior”, adverte Saltz.

Na pré-escola

Os pais devem começar a falar sobre o corpo desde cedo e usar “nomes anatômicos corretos, não apelidos que denotem constrangimento”. Crianças nessa idade são infinitamente curiosas, o que os pais devem encorajar, diz Saltz. Por estar aberto a perguntas, “você se torna a fonte”, diz Saltz, “em vez de outra pessoa que lhes diz o quão grande sua bunda deve ser e o que eles deveriam fazer com ela”.

Entusiasmo também é fundamental, diz Saltz. Ela incentiva os pais a iniciarem conversas com a atitude de que “É incrível o que nossos corpos podem fazer!” – e incentive as crianças a ficarem animadas com todas as coisas que seu próprio corpo pode fazer, bem como com a sensação de se mexer e fazer atividades físicas. Tente perguntas como: “O que foi divertido nisso? Como se sentiu? O que você aprendeu?”

No fundamental

É um momento para se ter conversas sobre “seu corpo é seu e ninguém mais pode opinar sobre ele”. As garotas em particular, diz Saltz, começam a receber mensagens nessa idade de que seu corpo é algo que elas devem usar como moeda para aceitação. Os pais de meninos e meninas podem neutralizar essas mensagens incentivando as crianças a pensar e falar abertamente sobre as consequências de usar seus corpos de maneiras diferentes. As crianças também atingem a puberdade em momentos muito diferentes, observa Saltz.

Os pais podem ajudar os filhos a navegar por essas diferenças, deixando-os saber que todos são diferentes, e isso é normal, uma mensagem que eles não receberão dos corpos artificialmente aperfeiçoados que veem na mídia.

No ensino médio

Os jovens estão sob muita pressão para se adequar a padrões de beleza irreais. Os pais podem combater isso, deixando-os saber a verdade: não existe realmente apenas um padrão de beleza. Na verdade, como Saltz aponta, “as pessoas são atraídas por todos os tipos de pessoas”. Mesmo nessa idade, diz Saltz, ainda é importante que os pais reforcem a aparência de seus filhos “, mas não para que a ênfase seja apenas nisso”. O ponto ideal, de acordo com Saltz: manter a ênfase na finalidade de nossos corpos e em todas as coisas incríveis que eles podem fazer. “Mais do que sua aparência em um maiô”, diz Saltz, os pais devem encorajar os filhos a se concentrarem em “o que você fez na água e como se sentiu”.

7 maneiras de tornar o estudo divertido

Muitas crianças não estudam porque acham chato. Ninguém gosta de olhar para os livros e se sentir desmotivado. Parece que seu cérebro adormece… Isso se a gente fica com a máxima de que o estudo não pode ser divertido. E muito mais do que não fazer o dever, fica mais desafiador delas memorizarem aquilo que está sendo estudado.

A boa notícia é que você pode ajudar seu filho e tornar o estudo mais divertido. Assim, é mais provável que seu filho retenha as informações por mais tempo e a experiência de estudar seja uma hora de sorrisos.

Elimine a velha rotina de estudo e use essas maneiras empolgantes de tornar o estudo divertido para as crianças.

Como tornar o estudo divertido?

1. Faça leituras dramáticas

Quando seu filho precisar ler algum livro que “empacou”, faça uma leitura dramática. Isso mesmo, como se estivesse atuando: com veemência e energia. Ler em voz alta pode tornar as coisas mais fáceis para as crianças se lembrarem. Deixe que seu filho fique realmente envolvido com suas leituras para que se divirtam enquanto estudam.

2. Faça pausas para atividades divertidas, como dançar

O tempo que seu filho passa estudando é importante, mas também é necessário ter intervalos para que as informações “se assentem”. Que tal fazer uma pausa para dançar de vez em quando? Coloque uma música divertida e deixe-os dançar por alguns minutos. Você pode até usar música que seja relevante para as informações que eles estão estudando para tornar a dança ainda mais produtiva. Você também pode escolher uma outra atividade, mas que não saia por muito tempo do foco dos estudos.

3. Desenhe para ilustrar pontos importantes

Às vezes, é difícil para as crianças compreenderem e lembrarem certos conceitos, principalmente os novos. Então, considere fazer com que as crianças façam desenhos que ajudem a ilustrar pontos importantes. Esta não é apenas uma maneira divertida de aprender, mas também ajuda seu filho a expressar pontos de uma maneira fácil e lúdica.

4. Jogue com a disciplina para um estudo divertido

Jogar sempre é uma ótima maneira de estudar enquanto se diverte. As crianças adoram jogar, e se você transformar o tempo de estudo em tempo de jogo, eles vão aprender. Por exemplo: se seu filho estiver com dificuldades em sentar para estudar matemática, que tal fazer um Quizz? Ou se o problema é história, que tal fazer um jogo de mímicas baseado no conteúdo?

5. Siga o estilo de aprendizagem do seu filho

É muito importante que você entenda que tipo de aluno seu filho é, ou seja, auditivo, visual ou cinestésico. Você pode adotar um cronograma de estudos com base na preferência do seu filho.

6. Coloque ênfase na aprendizagem e não nas notas

Embora boas notas sejam importantes para passar de ano, isso não deve ser a prioridade. Na verdade, isso pode fazer com que o estudo se torne uma obrigação pesada, cheia de expectativas. Mude o foco do aprendizado. Mostre que aprender é muito mais do que tirar boas notas. Pergunte a ele sobre as atividades do dia a dia na classe e o que ele aprendeu no dia de interessante. Demonstre curiosidade.

7. Esteja do lado do seu filho

Ainda sobre essa questão: não coloque pressão sobre seu filho para ter uma boa pontuação ou obter melhores notas. Seja legal e gentil com ele e tente entender as coisas de sua perspectiva. Tente tornar seu filho responsável pelos estudos de maneira positiva, pois qualquer tipo de negatividade pode transformá-lo em um rebelde e isso pode fazê-lo ceder e desafiar você.

Separamos um podcast muito interessante que complementa esse assunto. Veja abaixo:

Como construir memórias com seu filho

Embora os dias com crianças pequenas muitas vezes pareçam longos, os anos voam. Use este projeto prático e proposital para saborear os momentos que você passa com seu filho, que se transformarão em boas memórias. Nós sabemos: a cada aniversário que passa, os anos dos filhos parecem passar rapidamente. Crianças de cinco meses tornam-se crianças de 5 anos em um piscar de olhos e, em seguida, já têm 15 anos.

Essa inexorável marcha do tempo que transforma bebês em crianças grandes é o “outro” relógio biológico que os jovens casais enfrentam. Cada dia traz um novo crescimento, novos marcos e novas maravilhas. Mas os desafios de fazer malabarismos com nossa vida adulta muitas vezes nos impedem de apreciar plenamente as nuances delicadas da infância.

Ouvimos falar sobre criação lenta, criação de apego e mães tigres. No entanto, há uma única verdade que se aplica a qualquer filosofia de criação de filhos: seus filhos precisam passar um tempo significativo com você. Eles precisam ver quem você é e como vive sua vida.

Um tempo significativo com seu filho e as memórias

Quando você soma todo o tempo que seus filhos passam na creche, na escola, dormindo, na casa de amigos, com babás, no acampamento e ocupados com atividades que não incluem você, os momentos restantes tornam-se especialmente preciosos para construir boas memórias com seu filho.

Existem apenas 940 sábados entre o nascimento de uma criança e sua saída para a faculdade (!). Pode parecer muito, mas quantos você já usou? Se seu filho tem 5 anos, 260 sábados já passaram. Puf! E quanto mais velhos seus filhos ficam, mais ocupados seus sábados ficam com amigos e atividades. Idem aos domingos. E nos dias de semana? Dependendo da idade de seus filhos e se você trabalha fora de casa, pode haver apenas uma ou duas horas por dia durante a semana para você passar com eles.

No entanto, ao invés de se preocupar com quantos minutos você pode passar com seus filhos a cada dia, concentre-se em transformar esses minutos em momentos memoráveis.

Os pais muitas vezes compensam por ter uma quantidade tão pequena de tempo programando um “tempo de qualidade”. Duas horas na reserva natural. Uma tarde no cinema. Jantar em restaurante. Mas a verdade é que momentos de qualidade podem ocorrer quando você menos espera – sim, na reserva natural, mas também no carro, a caminho do treino de balé.

Experimente este truque mental para ajudá-lo a reajustar seu pensamento: No decorrer de um dia louco, imagine seu relógio biológico de paternidade adiantado para o momento em que seus filhos cresceram e saíram de casa. Imagine seus quartos desarrumados como limpos e vazios. Veja o banco de trás do carro aspirado e sem cadeirinha ou migalhas. Prateleiras de salas de jogos empilhadas ordenadamente com brinquedos empoeirados. Lavandaria sob controle. Em seguida, retroceda o relógio imaginário de volta ao agora e veja os minutos de caos de hoje pelo que são: finitos e fugazes.

Nem tudo é às mil maravilhas

Nem todos os dias, ou até memórias, com seus filhos serão perfeitos, mas espero que um dia você receba a partida deles com um profundo sentimento de satisfação, porque você deu a eles o que eles precisam para ter sucesso e também a si mesmo o que precisa para se sentir um pai/mãe “bem-sucedido”.

Jogue o jogo para criar memórias com seus filhos

Se você decidir trazer videogames para sua casa, faça o possível para exibi-los e até mesmo aprender a jogá-los para que possa vivenciar essa parte do mundo dos seus filhos. Por quê? Primeiro, seus filhos vão “te cancelar”, para usar a linguagem deles; esta é uma atividade em que você nunca terá que deixá-los vencer, e é bom para as crianças ocasionalmente verem seus pais como humanos e vencíveis. Em segundo lugar, haverá alegria garantida em sua falta de destreza. Finalmente, alguns jogos têm uma realidade virtual redentora, porque eles imitam atividades do mundo real, como tênis de mesa, boliche, beisebol, esqui e dança (que são certamente muito melhores do que jogos em que vocês explodem). Mas estabeleça limites de tempo, para que suas realidades virtuais não controlem sua realidade.

Sirva Sundaes de Sorvete e Pipoca

Sim, todos nós sabemos que há uma crise de obesidade neste país, e certamente não queremos ensinar nossos filhos a obter conforto com a comida.

Por isso, estabeleça tradições especiais em torno de guloseimas divertidas – elas se tornam mais especiais porque não acontecem com tanta frequência. Sundaes de domingo à tarde de verão ou noites frias de TV em família com chocolate quente ou pipoca no dia de jogos. Os granulados tornam o sorvete especial, e o carinho combina com o cacau

Agora, por favor, não saia por aí dizendo às pessoas que você leu que você deve para alimentar seus filhos com sorvete com granulado.

A comida não é a questão – ela apenas ajuda a enfatizar. Alimentos divertidos e guloseimas especiais iniciam uma conversa e fazem a memória. Seus filhos podem não se lembrar de todos os tópicos de discussão, das piadas ou das cócegas, mas vão se lembrar para sempre com carinho das maçãs e passas assadas. E, claro, eles vão se lembrar das ocasiões que mereceram os mimos especiais. E que eles compartilharam com você.

Mostre a seus filhos o quão importante é seu tempo com eles e você impactará as gerações futuras. Faça com que cada momento seja uma experiência única.

Como as experiências de vida desenvolvem seu filho

É por isso que memórias vivas de marcos e experiências criativas moldam a capacidade de seu filho de aprender

A partir do momento em que os bebês nascem, as experiências sensoriais começam a desempenhar um papel no desenvolvimento. Embora as experiências iniciais sejam amplamente centradas nessas informações sensoriais, o ambiente continua a exercer uma influência poderosa no comportamento ao longo da vida. A genética desempenha um papel importante no desenvolvimento, mas as experiências de vida são igualmente importantes.

Por exemplo, a genética pode influenciar como o cérebro de uma criança é conectado desde o nascimento, mas o aprendizado e os momentos marcantes irão literalmente moldar como o seu cérebro.

Algumas das teorias clássicas da psicologia enfocam a importância da experiência e como ela molda o comportamento e a personalidade. Três das principais teorias que descrevem e explicam como as crianças aprendem incluem:

Condicionamento clássico

Este tipo de aprendizado envolve fazer uma associação entre um estímulo e uma resposta.  Mesmo que você tenha apenas um conhecimento superficial de psicologia, é provável que você já tenha ouvido falar dos cães de Pavlov. Em um experimento clássico, o fisiologista russo Ivan Pavlov descobriu que emparelhar repetidamente o som de um sino com a apresentação da comida fazia com que os cães associassem o próprio tom à comida. Uma vez que a associação foi formada, o som do sino sozinho poderia fazer os cães começarem a salivar antes de uma refeição. As crianças aprendem da mesma maneira, desenvolvendo associações entre as coisas em seu ambiente e as consequências potenciais. Por exemplo, um bebê pode rapidamente começar a associar a visão de uma mamadeira com o fato de ser alimentado.

Condicionamento operante

Quando você recompensa um comportamento, é provável que o mesmo comportamento ocorra novamente no futuro. Quando um comportamento é punido, é menos provável que ocorra novamente no futuro. Esses princípios fundamentam o conceito de condicionamento operante, um conjunto de técnicas de aprendizagem que utiliza reforço e punição para aumentar ou diminuir uma resposta. Por exemplo, quando uma criança é recompensada por limpar seu quarto, é mais provável que ela repita o mesmo comportamento mais tarde.

Aprendizagem por observação

Como você pode esperar, as crianças podem aprender muito simplesmente observando seus pais, colegas e irmãos. Até os comportamentos que observam na televisão, nos videogames e na Internet podem impactar seus próprios pensamentos e ações. Como o aprendizado por observação é tão poderoso, é importante garantir que as crianças observem o tipo certo de comportamento. Ao modelar bons comportamentos e respostas adequadas, os pais podem ter certeza de que seus filhos estão aprendendo a agir com responsabilidade.

Se com as experiências amadureço, com os sonhos volto a ser criança.

Andreza Filizzola

Como as experiências de vida estimulam a aprendizagem

Uma pesquisa recente mostrou que a capacidade de uma criança de falar e descrever eventos atuais está diretamente ligada à sua capacidade de formar e recordar memórias. Por exemplo, quando seus filhos aprendem novos jogos ou habilidades, esse novo conhecimento é retido pela memória de trabalho ativa. É um processo em que as novas informações são misturadas e comparadas com as memórias anteriores. Quando as crianças passam para outra atividade, algumas dessas informações se tornam parte de sua memória de curto prazo. Novamente, nem toda memória de curto prazo será retida por longos períodos. As células cerebrais têm maior probabilidade de armazenar novas experiências se elas forem repetidas ou totalmente inesperadas.

Como a experiência molda o desenvolvimento infantil

Embora a cultura possa desempenhar um papel importante na forma como uma criança é criada, ainda é importante lembrar que é a interação de influências que dita como a criança se desenvolve. Genética, influências ambientais, estilos parentais, amigos, professores, escolas e a cultura em geral são apenas alguns dos principais fatores que se combinam de maneiras únicas para determinar como uma criança se desenvolve e a pessoa que um dia se tornará.

Como você conversa com seu filho?

A maioria dos pais sabe que uma conversa com seu filho é crucial para o desenvolvimento cognitivo, emocional, psicológico… Mas um novo estudo revelou que é COMO você fala com seu filho que realmente importa. Em vez de apenas vomitar palavras complexas para eles, ou mostrar flashcards na esperança de enriquecer seu vocabulário, a chave é envolvê-los em “conversas” – em outras palavras, um bom e velho bate-papo.

Em um estudo com crianças de 4 a 6 anos, cientistas cognitivos do MIT descobriram que essa conversa muda o cérebro da criança. Especificamente, pode impulsionar o desenvolvimento do cérebro da criança e as habilidades de linguagem, conforme medido por uma série de testes e varreduras cerebrais de ressonância magnética. Isso acontecia independentemente da renda ou educação dos pais.

A conversa com seu filho deve ser real

“O importante não é só conversar com seu filho, mas bater um papo com ele. Não se trata apenas de despejar a linguagem palavras, mas de realmente manter uma conversa com eles ”, disse Rachel Romeo, estudante de graduação em Harvard e MIT e autora principal do artigo.

A descoberta adiciona uma reviravolta importante para o que sabemos sobre linguagem e desenvolvimento. Em 1995, um estudo seminal estabeleceu que as crianças das famílias mais ricas ouvem cerca de 30 milhões de palavras a mais aos três anos do que as crianças das famílias mais pobres. Os autores desse estudo argumentaram que a “lacuna de 30 milhões de palavras” desencadeou as crianças em trajetórias de desenvolvimento fundamentalmente diferentes que afetaram suas experiências mais tarde.

Hoje, existem inúmeros aplicativos educacionais e brinquedos dedicados a preencher essa lacuna entre as palavras e a expansão do vocabulário das crianças desde o primeiro dia. No entanto, tentar inundar as crianças com milhões de palavras pode estar faltando um fator crucial no desenvolvimento: as relações humanas e a interação social.

Na verdade, o estudo do MIT sugere que os pais talvez devam falar menos e ouvir mais.

“O número de palavras adultas não parecia ter nenhuma importância para a função cerebral. O que importava era o diálogo”, disse Romeo.

As crianças do estudo usavam gravadores em casa que registravam cada palavra que falaram ou ouviram. Em seguida, os cientistas analisaram essas gravações em busca de “conversas”, ou trocas de idas e vindas entre um adulto e a criança. Eles descobriram que o número de turnos de conversação está fortemente correlacionado com as pontuações das crianças em uma série de testes de linguagem. Também se correlacionou com mais atividade na área de Broca, a área do cérebro envolvida na produção da fala e no processamento da linguagem, quando as crianças ouviam histórias enquanto seus cérebros estavam sendo escaneados. Essas correlações eram muito mais fortes do que entre o número de palavras ouvidas e os resultados dos testes ou a atividade cerebral.

O estudo observou que, embora as crianças de famílias mais ricas tenham sido expostas a mais linguagem em média, as crianças de famílias pobres, mas falantes, tinham habilidades de linguagem e atividade cerebral semelhantes às das crianças mais ricas. Esta foi uma descoberta importante que levou os pesquisadores a encorajar pais de todas as origens a se envolverem com seus filhos – incluindo bate-papo interativo com bebês, por exemplo, fazendo sons para frente e para trás ou copiando rostos.

Conversar com seu filho é envolvê-lo em sua vida

A ideia de aprender por meio do envolvimento social e da ligação emocional coincide com outras pesquisas sobre como os bebês aprendem a linguagem. Os bebês tendem a aprender observando e copiando os adultos pelos quais estão mais apegados, e é por isso que cantar e acariciar são muito mais eficazes do que ferramentas educacionais de alta tecnologia quando se trata de desenvolvimento. Mais tarde, as crianças aprendem com mais eficácia por meio de jogos, por exemplo, jogos de papéis imaginários com amigos ou adultos.

Conversar também requer habilidades cognitivas mais complexas do que apenas ouvir ou apenas falar. De acordo com os pesquisadores do MIT, ter uma conversa permite que as crianças pratiquem a compreensão do que a outra pessoa está tentando dizer e como responder apropriadamente. Isso é muito diferente de apenas ter que ouvir.

E aí, já bateu um papo com seu filho hoje?

Na Casa do Sol há espaço para todo tipo de linguagem

Não é por acaso que a Casa do Sol sempre vem com uma novidade para que seu filho se desenvolva da maneira mais leve e divertida possível. A Casa do Sol Origem, a Casa do Sol Fashion by Bué, Casa do Sol Ateliê… Tudo isso é para que ele aprenda outras formas de linguagem. Se você quiser saber mais sobre, clique aqui!

Os perigos de pais distraídos pelo celular

Quando se trata do desenvolvimento infantil, os pais devem se preocupar menos com o tempo de tela dos filhos – e mais com o deles.

O uso inadvertido do celular vem à tona a todo o momento: acidentes de carro, distúrbios do sono, perda de empatia, problemas de relacionamento, falha em notar um palhaço em um monociclo… Quase parece mais fácil listar as coisas que eles não bagunçam do que o coisas que eles podem atrapalhar. E nossa sociedade pode estar atingindo o auge das críticas aos dispositivos digitais.

Mesmo assim, pesquisas recentes sugerem que um problema chave continua subestimado. E ele envolve o desenvolvimento infantil, mas provavelmente não é o que você pensa. Mais do que crianças obcecadas por telas, devemos nos preocupar com pais desligados.

Quanto tempo você fica no celular?

Sim, os pais agora têm mais tempo face a face com seus filhos do que quase todos os pais na história. Apesar de um aumento dramático na porcentagem de mulheres na força de trabalho, as mães hoje em dia, surpreendentemente, gastam mais tempo cuidando de seus filhos do que as mães na década de 1960, segundo levantamentos.

Mas o envolvimento entre pais e filhos é cada vez mais de baixa qualidade. Os pais estão constantemente presentes fisicamente na vida de seus filhos, mas eles estão menos sintonizados emocionalmente.

Os especialistas em desenvolvimento infantil têm nomes diferentes para o sistema de sinalização diádica entre adulto e criança, que constrói a arquitetura básica do cérebro. Jack P. Shonkoff, um pediatra e diretor do Centro de Harvard sobre o Desenvolvimento da Criança, em entrevista para a revista The Atlantic, chama isso de estilo de comunicação “servir e devolver”; as psicólogas Kathy Hirsh-Pasek e Roberta Michnick Golinkoff descrevem um “dueto de conversação”. Os padrões vocais que os pais tendem a adotar em todas as partes durante as trocas com bebês e crianças pequenas são marcados por um tom mais agudo, gramática simplificada e entusiasmo exagerado e engajado. Embora essa conversa seja enjoativa para observadores adultos, os bebês não se cansam dela. Não só isso: um estudo mostrou que bebês expostos a este estilo de fala interativo e emocionalmente responsivo aos 11 e 14 meses sabiam duas vezes mais palavras aos 2 anos do que aqueles que não foram expostos a ele.

O desenvolvimento infantil é relacional, por isso, em um experimento, bebês de nove meses que receberam algumas horas de instrução em mandarim de um ser humano vivo conseguiram isolar elementos fonéticos específicos da língua, enquanto outro grupo de bebês recebeu exatamente a mesma instrução via vídeo não poderia. De acordo com Hirsh-Pasek, professor da Temple University e membro sênior da Brookings Institution, mais e mais estudos estão confirmando a importância da conversa. “A linguagem é o melhor indicador de desempenho escolar”, disse ela para a The Atlantic, “e a chave para fortes habilidades linguísticas são as conversas fluentes entre crianças e adultos”.

Pesquisas apontam: as telas criam pais distraídos

Portanto, surge um problema quando o sistema de dicas adulto-criança emocionalmente ressonante, tão essencial para o aprendizado inicial, é interrompido – por um texto, por exemplo, ou por um rápido check-in no Instagram. Qualquer pessoa que tenha sido atropelada por um operador de carrinho de bebê com deficiência física pode atestar a onipresença do fenômeno. Uma consequência de tais cenários foi observada por um economista que acompanhou um aumento nos ferimentos de crianças conforme os smartphones se tornaram predominantes.

Essas descobertas atraíram um pouco da atenção da mídia para os perigos físicos representados por pais distraídos, mas temos sido mais lentos para avaliar seu impacto no desenvolvimento cognitivo das crianças. “As crianças não podem aprender quando interrompemos o fluxo das conversas pegando em nossos celulares ou olhando o texto que passa zunindo por nossas telas”, disse Hirsh-Pasek.

No início da década de 2010, pesquisadores em Boston observaram disfarçadamente 55 cuidadores comendo com uma ou mais crianças em restaurantes fast-food. Quarenta dos adultos estavam absortos em seus telefones em vários graus, alguns ignorando quase totalmente as crianças (os pesquisadores descobriram que digitar e deslizar na tela eram os maiores culpados nesse aspecto do que atender uma ligação). Não é novidade que muitas das crianças começaram a pedir atenção, que frequentemente eram ignoradas.

Mais fatos sobre pais distraídos

Um estudo de acompanhamento trouxe 225 mães e seus filhos de aproximadamente 6 anos para um ambiente familiar e gravou suas interações enquanto cada pai e filho recebiam alimentos para experimentar. Durante o período de observação, um quarto das mães usou espontaneamente o telefone, e as que o fizeram iniciaram um número substancialmente menor de interações verbais e não verbais com seus filhos.

Ainda outro experimento rigorosamente projetado, este conduzido pelas pesquisadoras Hirsh-Pasek, Golinkoff e Jessa Reed de Temple, testou o impacto do uso de telefones celulares pelos pais no aprendizado da linguagem das crianças. Trinta e oito mães e seus filhos de 2 anos foram levados para uma sala. As mães foram então informadas de que precisariam ensinar aos filhos duas palavras novas (blicking, que significa “quicar” e frepping, que significa “tremer”) e receberam um telefone para que os investigadores pudessem contatá-las. Quando as mães eram interrompidas por uma ligação, as crianças não aprenderam a palavra, mas, fora isso, aprenderam.

Em uma irônica coincidência neste estudo, os pesquisadores tiveram que excluir sete mães da análise, porque elas não atenderam o telefone, “deixando de seguir o protocolo”. Bom para eles!

Olhemos para nós primeiro

Nessas circunstâncias, é mais fácil concentrar nossas ansiedades no tempo de tela de nossos filhos do que guardar nossos próprios celulares. E essa tendência tem explicação. Psicologicamente falando, este é um caso clássico de projeção – o deslocamento defensivo das falhas de uma pessoa para outras relativamente inocentes. No que diz respeito ao tempo de tela, a maioria de nós precisa fazer muito menos projeções e analisar o quanto de tempo estamos passando em frente à tela. Podemos estar sentados no sofá ao lado dos filhos, ou à mesa. Mas estamos 100% presentes lá?

Dicas para ajudar seu filho a se vestir

Ensinar seu filho a se vestir pode parecer por vezes uma tarefa impossível. E é o tipo de coisa que a gente sofre, mas que parece que é supérfluo demais para prestar atenção. Porém, não é! Ensinar seu filho a se vestir o ajudará a ser autosuficiente, a construir confiança em si mesmo e, principalmente, a se amar.

Por isso, a Casa do Sol separou 10 dicas que são pulo do gato que vão ajudar seus filhos a aprenderem a se vestir.

Como ensinar meu filho a se vestir?

1. Sempre ensine a tirar / remover as peças de roupa primeiro para aumentar a autoconfiança

Ensinar a uma criança algo tão simples como tirar o sapato despertará rapidamente seu interesse em ser independente para descobrir como pode voltar a calçar-se. Depois de aprenderem a tirar as peças de roupa, elas começam a se sentir mais confiantes em sua capacidade de colocá-las de volta (mesmo que não consigam totalmente).

A confiança e a autodeterminação são 90% do jogo!

2. Vista-se com eles

As crianças aprendem melhor quando têm alguém a se espelhares. Processar e seguir várias etapas auditivas (também conhecidas como “comandos”, mas não gostamos muito dessa palavra…) pode ser opressor ao tentar uma nova habilidade. Se eles estão aprendendo a vestir uma camisa, vocês dois podem vestir uma camisa juntos, lado a lado.

3. Divida TUDO em etapas simples

Ao falar, sempre use palavras curtas e simples e dê um rótulo / nome a tudo (ou seja, “buraco na cabeça”, “língua”). Então, primeiro coloca o braço direito nesse buraco. Depois a cabeça nesse outro buraco. Depois o braço esquerdo no buraco que falta. Pronto, vestiu uma camiseta!

4. Complemente os comandos verbais com um visual de cada etapa (ou seja, cartões de enfeite ou imagens)

Recursos visuais para ajudar as crianças a aprender a se vestir é uma boa pedida. Isso porque cada um, inclusive nós, adultos, reagimos de modo diferente a um sentido. Tem gente que é mais auditiva, visual, e assim por diante…

Você pode desenhar algumas imagens do passo a passo para vestir roupas, noções de looks que combinem e assim por diante.

5. Para praticar, use um tamanho de roupa maior do que o normal

Furos maiores = maior sucesso e menos frustração.

Assim que eles entenderem o conceito, você poderá tentar ensinar em um tamanho normal. A vantagem adicional é que quanto maior o tamanho, mais tempo eles realmente caberão neles, pois todos sabemos que eles crescem como flores!

6. Pratique quando não estiver com pressa para sair

Pratique em um dia não programado quando não houver pressão sobre nenhum de vocês. Ninguém merece fazer as coisas correndo.

7. Faça-os sentar para se vestirem

Ensinar o filho a se vestir deve ser uma tarefa realizada com calma. De preferência, sentado. Isso elimina a necessidade de se equilibrarem. O ideal é sentar-se no chão ou em um banquinho de criança.

8. Ensine a orientação dos itens de vestuário (ou seja, frente, costas, lado, parte superior, parte inferior)

Este passo é de extrema importância! Peça-lhes que identifiquem a frente e as costas e todos os orifícios corretos para a colocação das extremidades.

9. Use um espelho

Depois que eles terminam de se vestir, é sempre bom tê-los verificando-se novamente para que possam ver se deixaram algum item torcido (ou invertido) e se eles estão se sentindo bem com aquela roupa.

10. Seja paciente e faça o ato de se vestir divertido!

Espero que todos tenham achado esta informação útil para tornar você e seus filhos mais bem-sucedidos em aprender a se vestir sozinhos. Um passo de cada vez. Coisas simples no dia a dia que farão uma enorme diferença na autoestima deles como crianças, adolescentes e adultos.

Artesanato para crianças: comece ontem!

Nutrir o lado criativo de seu filho pode ser tão importante quanto brincar ao ar livre e ler com eles – afinal artesanato para crianças tem tantos benefícios quanto tais atividades. Os projetos criativos ajudam a desenvolver o lado sensorial, a imaginação e as habilidades motoras (tanto as sutis quanto manuais) do seu filho. E venhamos: nem precisamos mencionar o orgulho que eles próprios têm ao criar algo com suas próprias mãos.

A Casa do Sol separou alguns pontos importantes que vão fazer você entender como que o artesanato para crianças deve ser uma realidade para o seu filho.

Projetos de artesanato para crianças: por que são tão importantes?

O artesanato tem benefícios incríveis para as crianças. Além de aprenderem a terem paciência e concentração, incentiva o pensamento livre e a resolução de problemas. Quando feito em grupo, o artesanato para crianças pode ser incrivelmente relaxante, divertido e social. É uma ótima maneira de trabalhar ‘juntos’ e compartilhar ideias (inclusive têm umas bem boas aqui – em inglês!).

Benefícios do artesanato para crianças

1. Habilidades motoras

Quando as crianças usam os dedos para manipular materiais de arte, elas estão desenvolvendo suas habilidades motoras finas à medida que usam os pequenos músculos das mãos. Suas habilidades de coordenação bilateral melhoram à medida que aprendem a usar as duas mãos ao mesmo tempo.

Tudo isso acontece quando eles pintam, colorem, colam e cortam. Quanto mais rápido se desenvolverem suas habilidades de motoristas finos, mais eles podem fazer por conta própria, desde a comer sozinhas até amarrar seus próprios cadarços.

2. Alfabetização

As habilidades de alfabetização da primeira infância em arte e artesanato cobrem uma ampla gama de áreas – desde falar e ler até ouvir e compreender. Quando as crianças fazem arte ou artesanato, elas falam sobre seu trabalho, que desenvolve suas habilidades de comunicação. “Por que você escolheu essa cor?” “Conte-me sobre o que você fez.” Ao responder essas perguntas, elas aprendem um novo vocabulário com os pais e, ao seguir instruções verbais, usam suas habilidades de escuta. Uma habilidade que todos os pais querem que nossos filhos aprendam o mais rápido possível para que possam começar a nos ouvir!

3. Conceitos matemáticos

Frequentemente, as habilidades matemáticas básicas não são consideradas parte das atividades de arte e artesanato. Mas as habilidades matemáticas são usadas com frequência e têm um efeito positivo no desenvolvimento de habilidades matemáticas em crianças pré-escolares.

As crianças aprendem e reconhecem diferentes formas, contam e separam seus materiais de arte e até medem comprimentos e tamanhos de materiais de arte. Para dominar a matemática, você precisa de um bom raciocínio e habilidades de resolução de problemas, com as quais as atividades de arte e artesanato também ajudam.

4. Criatividade

A arte permite que as crianças desenvolvam sua criatividade, o que é importante ao longo de suas vidas. Ao fazer algo criativo, você permite a autoexpressão e isso permite que as crianças expressem (e lidem com) seus sentimentos. Também promove o crescimento mental das crianças, proporcionando oportunidades para experimentar novas ideias, novas formas de pensar e de resolver problemas.

5. Autoestima

As atividades de arte e artesanato dão às crianças uma sensação de realização e permitem que elas se orgulhem de seu trabalho, o que gera confiança. Fazer arte é uma maneira ótima e segura de descobrir que não há problema em cometer erros e que entender as coisas “erradas” podem levar você a uma ideia totalmente nova.

Qual melhor tipo?

As crianças reagem às experiências sensoriais. Em vez de focar em fazer projetos ‘reais’, o foco é mais sobre eles aprenderem no processo, ao explorar os materiais. Começar com uma caixa de artesanato é uma ótima opção. Encha-a com itens seguros da reciclagem, como caixas, rolos de papelão, garrafas plásticas e tampas grandes. O celofane faz grandes ruídos de amassado e eles podem ver através dele. Um novelo de barbante ou lã pode ser colado ou usado para enfiar coisas.

E para as crianças de 5 a 10 anos …?

É fato: as crianças adoram construir e criar. Dê uma caixa de papelão, alguns canos de plástico e conectores, tintas, papeis… e veja a mágica acontecer.

As meninas costumam ter mais paciência com atividades complicadas e, entre as idades de cinco a 10 anos, é o momento perfeito para começar a costurar, tricotar e fazer crochê – mas, por favor, leve seu filho também para fazer essas atividades, será tão bom para ele quanto para ela.

Cozinhar também é ótimo para essa faixa etária. Comece com pizzas, biscoitos, doces e sorvetes de frutas e dê a eles a liberdade de decorar e criar seus próprios sabores, formas e combinações exclusivas.

E depois dos 10 anos?

Gifting (presentes feitos à mão própria) é uma ideia favorita para essa faixa etária. Não só é conveniente (afinal, vamos economizar), mas hoje em dia ‘feito à mão’ é muito legal mais legal do que ir até uma loja e comprar algo. Adolescentes que amam fazer sua própria arte em uma tela, seja arte de rua ou apenas algo ousado e brilhante. É um verdadeiro impulsionador da confiança ser capaz de dar algo que você mesmo fez.

Outra opção é a construção de modelos de casas, vulcões e etc. Ele os ensina a seguir as instruções e concluir uma tarefa com algo para mostrar no final. Se você conseguir arrastá-los para longe do computador por tempo suficiente, é uma ótima evolução.

Também é interessante customizar suas próprias roupas. Adicionar acentos decorativos é uma ótima maneira de tornar suas coisas únicas e pode ser tão simples quanto mudar a cor dos botões de suas camisas e adicionar fitas, enfeites ou strass. Eles podem até fazer joias para combinar. Isso não só economiza dinheiro, mas os ajuda a se sentirem confiantes, criativos e únicos.

Apresente um novo mundo ao seu filho

Projetos de artesanato são uma ótima maneira de ensinar as crianças a tentar algo e, potencialmente, até falhar. Todos nós já tivemos muitas tentativas fracassadas de artesanato, o que, em última análise, ensina as crianças que é bom tentar algo de qualquer maneira, mesmo que não seja um sucesso estrondoso.

Finalmente, não se preocupe se seu filho ou você não sejam os maiores artesãos do mundo. Ainda vale a pena reservar um tempo para fazer alguns projetos com seus filhos, ensinando-lhes que você está disposto a desistir e passar algum tempo de qualidade com eles no processo.

Como ajudar na autoestima do meu filho?

Ser pai/mãe é ter responsabilidades muito maiores do que ensinar porque o céu é azul. Ao contrário de um professor, que chega muito cedo na vida da criança, os pais são a influência mais significativa na vida dos filhos. Um livro de Aspy e Roebuck, O garoto não aprende com pessoas de quem não gosta, sugere como a forma que vemos, valorizamos e tratamos as crianças afeta o quanto elas aprendem conosco. E como ponto principal que os pais podem ajudar para o presente e o futuro do filho é centrado na autoestima do filho. Como você faz para que seu filho se ame?

A autoestima de uma criança começa a se formar muito cedo e continua sendo criada dia após dia.

A Autoestima do meu filho: é o que?

A autoestima vem de aprender a aceitar quem somos, vendo as nossas insuficiências/defeitos e, mesmo com elas, escolhendo a gostar de nós mesmos. A autoestima de cada criança cresce a cada experiência de interações bem-sucedidas, quase sempre seguidas por palavras positivas.

É importante construir a crença de uma criança de que ela pode lidar com sua vida e lidar bem as situações de conflito que irão surgir. Segundo Madelyn Swift para o Child Development and Family Center, nossa saúde emocional depende de nossa autoestima. Gostar de nós mesmos e nos sentirmos capazes são as bases sobre as quais repousa a saúde emocional.

Você pode se perguntar como pode ajudar seu filho a ter uma autoestima positiva.

Depois de ler muitas fontes diferentes, os especialistas parecem discordar sobre quais são as necessidades psicológicas básicas para construir a autoestima (tanto de um adulto, quanto de uma criança). De acordo com o livro de Madelyn Swift, Getting it Right with Children, as necessidades psicológicas básicas são sentir-se amável e capaz. Além disso, dar liberdade e encorajar seu filho a ser o que ele é fazem parte de uma combinação básica para nutrir a autoestima.

As 5 etapas para ajudar na autoestima do seu filho

O Child Development and Family Center separou cinco etapas simples, porém importantes, que você pode começar a adotar hoje mesmo para ajudar na autoestima do seu filho:

  • Ouça e reconheça os pensamentos e sentimentos de seu filho.
  • Crie situações que ajudem seu filho a ter sucesso, não fracasso. Defina expectativas claras e apropriadas, ofereça quantidades razoáveis ​​de ajuda, forneça incentivos adequados e remova obstáculos.
  • Dê ao seu filho uma sensação de controle razoável sobre sua vida.
  • Reforce que seu filho é amável e capaz.
  • Mostre ao seu filho que você tem uma visão positiva de si mesmo.

Ou seja: as crianças terão maior autoestima se sentirem um senso de propriedade e responsabilidade por suas experiências.

O que você pode fazer?

Não é tão complicado mostrar carinho e deixar a criança segura para ser ela mesma. Por isso:

  • Olhe para cada criança como uma pessoa única
  • Mantenha as expectativas realistas
  • Dê a liberdade a ela de cometer erros
  • A encoraje
  • Aceite os sentimentos desagradáveis ​​das crianças e ensine-as a lidar com elas
  • Dê escolhas
  • Responsabilize-as e espere por cooperação
  • Mantenha seu senso de humor

Cada livro, uma história. Cada um é único

Cada criança é verdadeiramente única. Como pais, devemos aprender a apreciar cada uma como especial. De acordo com o livro Getting it Right with Children, uma parte crucial do “trabalho” como pais é ensinar as crianças a serem donas de suas vidas, a serem seguras em suas escolhas e respostas e a não se colocarem no papel de vítimas de si mesmas por sua própria falta de conhecimento ou habilidades. Cada um de nós está aprendendo todo dia – imagina uma criança!

Nada é mais importante ou significativo do que criar crianças emocionalmente inteiras, saudáveis ​​e felizes. As crianças são os presentes mais preciosos que podemos receber; como adultos, fazemos o melhor que podemos a eles.

O que é Parentalidade Positiva?

Sabemos que não existe uma solução mágica de como educar nossos filhos de maneira amorosa e, ao mesmo tempo, que ensine disciplina a eles. Podemos ler 100 livros, mas sabemos que o dia a dia não é tão simples quanto a prática. Dentre todas as alternativas, ultimamente vê-se que a “solução” pode ser o caminho do meio. E esse caminho tem nome: Parentalidade Positiva.

Mas o que será que isso significa? Como aplicá-la? Vamos explicar para você.

O que é parentalidade positiva?

Antes de fornecer uma definição de parentalidade positiva, vamos dar um passo atrás e entender o que queremos dizer com “pais”. Embora muitas pesquisas sobre pais tenham focado no papel das mães; o bem-estar psicossocial das crianças é influenciado por todos os indivíduos envolvidos em sua educação.

Esses cuidadores podem incluir pais biológicos ou não: pais adotivos, pais solteiros, tios/tias, avós/avôs, irmãos mais velhos e outros parentes e não parentes que desempenham um papel significativo na vida de uma criança. Em outras palavras, o termo “pai” se aplica a uma variedade de indivíduos cuja presença afeta a saúde e o bem-estar das crianças.

Vários pesquisadores propuseram definições de parentalidade positiva. Um dos estudos mais contundentes na área, que revisou 120 outros artigos, criou a seguinte definição universal:

Parentalidade positiva é o relacionamento contínuo de um pai (s) e uma criança (s) que inclui cuidar, ensinar, liderar, comunicar e suprir as necessidades de uma criança de maneira consistente e incondicional.

Essas definições, combinadas com a literatura sobre parentalidade positiva, sugerem os seguintes pontos sobre parentalidade positiva:

  • Orientar
  • Liderar
  • Ensinar
  • Cuidar
  • Empoderar
  • Nutrir
  • Estar sensível às necessidades da criança
  • Ser consistente
  • Ser sempre não violento
  • Fornecer comunicação aberta regular
  • Fornecer carinho
  • Fornecer segurança emocional
  • Fornecer Calor Emocional
  • Fornecer amor incondicional
  • Reconhecer o Positivo
  • Respeitar o estágio de desenvolvimento da criança
  • Recompensar realizações
  • Estabelecer limites
  • Mostrar empatia pelos sentimentos da criança

Suportar os melhores interesses da criança

Mas como fazer tudo isso?

Ao construir fortes laços emocionais. Eles que ajudam as crianças a aprender como gerenciar seus próprios sentimentos e comportamentos e desenvolver a autoconfiança, além de criarem uma base segura a partir da qual eles podem explorar, aprender e se relacionar com outras pessoas.

Os especialistas chamam esse tipo de conexão forte entre crianças e seus cuidadores de “apego seguro”. As crianças seguramente apegadas têm mais chances de lidar com desafios como problemas financeiros, instabilidade familiar, estresse dos pais e depressão.

Esteja disponível

A vida moderna é cheia de coisas que podem influenciar sua capacidade de ser sensível e receptivo ao seu filho. Isso inclui prioridades concorrentes, trabalho extra, falta de sono e coisas como dispositivos móveis. Alguns especialistas estão preocupados com os efeitos que os pais distraídos podem ter no vínculo emocional e no desenvolvimento da linguagem, interação social e segurança das crianças.

Se os pais estiverem inconsistentemente disponíveis, as crianças podem ficar angustiadas e sentir-se magoadas, rejeitadas ou ignoradas. Elas podem ter mais explosões emocionais e se sentirem sozinhas. Isso porque há momentos em que as crianças realmente precisam de sua atenção e querem seu reconhecimento: os pais precisam comunicar que seus filhos são valiosos e importantes, e os filhos precisam saber que os pais se importam com o que estão fazendo.

Pode ser difícil responder com sensibilidade durante as birras, discussões ou outros momentos difíceis com seus filhos. Se os pais respondem irritados ou agressivos, as crianças podem imitar esse comportamento, e um ciclo negativo continua a aumentar.

A Parentalidade Positiva desde os primeiros anos de vida

As crianças começam a regular suas próprias emoções e comportamento por volta dos três anos de idade. Até então, eles dependem mais de você para ajudá-los a regular suas emoções, seja para acalmá-las ou para estimulá-las.

À medida que as crianças se tornam melhores no gerenciamento de sentimentos e comportamento, é importante ajudá-las a desenvolver habilidades de enfrentamento, como a solução ativa de problemas. Essas habilidades podem ajudá-los a se sentirem confiantes ao lidar com o que acontece no caminho. Isso acontece quando os pais se envolvem positivamente com seus filhos, ensinando-lhes os comportamentos e as habilidades de que precisam para lidar com o mundo, as crianças aprendem a seguir regras e a regular seus próprios sentimentos.

Sabemos que, como pais, tentamos muito proteger nossos filhos da experiência de coisas ruins. Mas se você os proteger o tempo todo e eles não estiverem em situações em que lidam com circunstâncias difíceis ou adversas, eles não poderão desenvolver habilidades saudáveis ​​de enfrentamento.

Permita que seus filhos tenham mais dessas experiências e depois os ajude a aprender como resolver os problemas que surgirem. Converse sobre a situação e seus sentimentos. Em seguida, trabalhe com eles para encontrar soluções para colocar em prática.

Atendendo às necessidades

À medida que as crianças crescem, é importante lembrar que dar a elas o que elas precisam não significa dar a elas tudo o que querem.

Pense em que momento a criança está na vida e quais habilidades ela precisa aprender naquele momento. Talvez ela precise de ajuda para gerenciar emoções, aprender a se comportar em uma determinada situação, pensar em uma nova tarefa ou se relacionar com amigos.

Parentalidade positiva é ajudar as crianças a ficarem confiantes. Você não quer mirar muito alto onde eles não podem chegar lá ou muito baixo onde eles já dominam a habilidade. Outra maneira de aumentar a confiança e fortalecer seu relacionamento é deixar seu filho assumir a liderança. Reserve algum tempo com seu filho que não seja altamente diretivo, onde ele conduz a situação.

Comece a Parentalidade Parental ontem

Nunca é tarde para começar a construir um relacionamento mais saudável e positivo com seu filho, mesmo que as coisas tenham ficado tensas e estressantes. Mais importante, verifique se seu filho sabe que você os ama e está do lado deles. Para crianças mais velhas, informe-as de que você está genuinamente comprometido em construir um relacionamento mais forte com elas e ajudá-las a ter sucesso.

Por ser um pai/mãe sensível e sensível, você pode ajudar a colocar seus filhos em um caminho positivo, ensinar a eles o autocontrole, reduzir a probabilidade de comportamentos problemáticos e construir um relacionamento afetuoso entre pais e filhos.

Ei, Já viu nosso canal no YouTube?