Criatividade e arte: é a hora de incentivar seu filho

“A imaginação é mais importante que o conhecimento”, disse Einstein. Na verdade, estimular a criatividade e a arte não é apenas uma forma incrível de criar coisas, mas também garante que seu filho nunca ficará sem ideias e recursos.

Criatividade e arte: como?

Estimular a criatividade permite que crianças (e adultos) enfrentem novas realidades com confiança. Na verdade, a imaginação ajuda as crianças a encontrar soluções engenhosas para os problemas e, acima de tudo, dá-lhes a liberdade em escolher entre o comodismo ou inventar algo inteiramente novo e original.

Dê ao seu filho a liberdade de experimentar sua própria criatividade de diferentes maneiras (música, artes, escrita, poesia, esportes, etc.). Lembre-se, ao fazer um desenho com seu filho, não diga a ele o que fazer e deixe-o explorar seus próprios gostos e inspirações.

A obra de arte do seu filho pode parecer altamente experimental, mas refletirá a maneira como ele vê a vida!

Jogue com ele!

Quando uma criança tem novas ideias constantemente voando em sua cabeça, você pode ter certeza de que ela nunca ficará desapontada quando enfrentar os desafios da vida. A criatividade não se limita às artes e ofícios. É também uma forma de pensar, de ver a vida e de utilizar os seus próprios recursos pessoais de uma forma pouco convencional. Em outras palavras: a criatividade faz parte da sua inteligência e torna tudo possível!

Jogue diferentes tipos de jogos com palavras, música, texturas, cores, etc. Para estar em um modo criativo, você deve sentir como se estivesse jogando um jogo. Dessa forma, você realmente se envolve no prazer e na espontaneidade da experiência.

Encoraje-o à expressar criatividade e arte

Felizmente, a criatividade é uma especialidade que qualquer pessoa pode aprender a desenvolver. Sem ela, sua vida seria absurdamente repetitiva. O que permite que você se sinta vivo e se destaque dos outros é a força da mudança, do progresso e um pouquinho de loucura com ideias inovadoras! As crianças precisam ser encorajadas e não constantemente julgadas ou avaliadas. Quando seu filho estiver criando um projeto individual, parabenize-o por isso.

Por exemplo, você pode pendurar seus desenhos na parede (alguns gostam de transformar a parede que desce as escadas em um museu de arte!). Você pode até digitalizar seus desenhos e imprimi-los como fotografias!

Leia e imagine

Ao ler um livro para seus filhos, pare no meio do caminho e pergunte como eles imaginam o resto da história. Permita que seus filhos se aventurem em um mundo imaginário. Você pode fazer o mesmo enquanto assiste a um filme, mas na maioria das vezes, as crianças preferem discutir o filme no final e não quebrar o ritmo da história.

Experencie!

Tentar, experienciar e, claro, cometer erros, fazem parte do processo criativo. Você tem que deixar as crianças fazerem suas próprias experiências sem lhes dizer o resultado com antecedência (“Não mel, vermelho e preto não vão se misturar em uma cor brilhante, vai ficar muito escuro!”).

Faça palhaçice

As crianças adoram rir. Quando desistem, ficam menos tímidos e mais dispostos a desfrutar plenamente de novas atividades criativas. Permita que seus filhos esqueçam os limites e explorem as inúmeras possibilidades.

Matricule-o em uma aula

Existem diversos cursos extracurriculares que incentivam seu filho a ir além. Conheça a Casa do Sol Criativa, a escolha perfeita para vocês! Lá tem aulas de música, moda, teatro e desenho!

Festa de aniversário do meu filho: primeiros passos

Uma das datas mais esperadas do ano para as crianças (e para nós, adultos, também) é o aniversário. Contudo, nós vemos muitos pais e mães se perguntando: “o que vou fazer na festa de aniversário do meu filho?”. É uma questão normal. Mesmo que já tenhamos feito vários aniversários, sempre queremos fazer algo diferente e que irá alegrar a todos.

Pensando nisso, a Casa do Sol separou algumas dicas do que não pode faltar quando o assunto é: Festa de aniversário do meu filho. Vem acompanhar.

Festa de aniversário do meu filho: passo a passo

Escolha um tema


O primeiro passo para planejar a festa de aniversário do meu filho é escolher um tema. Embora nem todas as festas tenham um, é recomendável pensar em algo para tornar a festa mais única e alinhada com os interesses do seu filho. Pense na atividade ou filme favorito do seu filho como ponto de partida. Estes podem ser ótimos temas de festa. Outras áreas a serem consideradas ao escolher um tema são os lugares favoritos para visitar, brinquedos ou personagens que eles admiram. Alguns temas serão mais fáceis de encontrar para acessórios de festa, mais do que outros, mas são uma boa oportunidade para ser criativo e envolver toda a família no processo de brainstorming! Aqui no blog da Casa do Sol você encontra várias dicas.

Determine a lista de convidados e envie convites


A próxima etapa é determinar quem você irá convidar. Embora possa parecer uma etapa bastante fácil, na verdade é um item que muita gente quebra a cabeça.

A melhor maneira de decidir quem está na lista de convidados é determinar um orçamento e quantas crianças podem entrar nesse orçamento. Isso torna mais fácil começar a escolher os convidados principais, como familiares próximos e amigos. A partir daí, se houver algum espaço de manobra, vá em frente e adicione outros (seus amigos, por exemplo). Além disso, algumas festas podem ser apenas para amigos e outras podem ser uma festa de família. É importante saber que tipo de festa você quer antes de fazer sua lista de convidados.

Os itens a serem considerados ao fazer uma lista de convidados são:

  1. Quantos convidados seu orçamento permite?
  2. Quão grande ou pequeno você prefere que seja.
  3. A festa será para os amigos do seu filho ou apenas para membros da família?
  4. O local da festa ou sua casa tem espaço suficiente para todos os convidados que você deseja convidar?

Também é importante determinar que tipo de convite você deseja usar para a festa.

Hora da comida na festa do aniversário do meu filho


O próximo passo é pedir comida. A maioria dos pais pode pensar que isso é simples, no entanto, existem muitas alergias e restrições alimentares das quais você deve estar ciente antes de alimentar os filhos de outros pais.

Antes de decidir sobre a comida da festa, é importante se perguntar o seguinte:

  1. Algum dos convidados tem alergia alimentar ou restrições alimentares?
  2. Preciso fornecer opções para diferentes restrições alimentares?
  3. A que horas a comida deve ser pedida?

Se você respondeu sim às duas primeiras perguntas, é recomendável entrar em contato com os pais daqueles que precisam de uma dieta especializada. Caso você tem alguns tipos de comida em mente, por exemplo, pizza, pergunte a seus pais se seu filho pode comer laticínios ou certos tipos de carne normalmente encontrados em pizza. Se eles disserem não, pergunte qual alimento é seguro para seu filho comer. Isso garantirá que todas as crianças consigam comer alimentos com segurança e não se sintam excluídas.

Não se esqueça da sobremesa também! Porque quem não quer terminar uma grande festa com uma nota doce. Você pode fazer bolo ou cupcakes – cupcakes são muito mais fáceis de gerenciar e você pode ter dois sabores, enquanto a maioria dos bolos de camada única tem apenas um sabor. Apenas certifique-se de ter o sabor favorito dos aniversários.

Entretanto, na Casa do Sol não é preciso se preocupar com nada disso.

Se você quiser saber mais sobre como realizar uma festa e tanto, confira nosso blog ou fale diretamente com a gente.

Casa de Festas Buritis: check-list

Na hora de escolher um lugar para fazer sua festa, é preciso ter na mão algumas condições importantes que o lugar precisa ter. Isso porque, por exemplo, quando procuramos no Google “Casa de Festas Buritis” podem surgir diversos lugares. Bons ou não. Seguros ou não. Divertidos ou não. Mas nesse mundo da internet onde todo mundo vende seu peixe à qualquer custo, saber o que realmente importa em uma casa de festas.

Então, pegue seu bloco de anotações (digital ou não) e já faça seu check-list.

Casa de Festas Buritis : e agora? Como escolher?

Antes de tudo, veja se essa casa de festas buritis é mesmo em Buritis. Pode parecer loucura o que estamos falando, mas muitas vezes as empresas ou não são BEM em Buritis ou esse bairro nem ao menos é em Belo Horizonte. Já vimos muita gente relatar que quando foi ver o lugar era do outro lado da cidade.

Por exemplo, a Casa do Sol Buritis possui uma página exclusiva. Lá você vê o endereço certinho e… sim! Uma das nossas casas é REALMENTE em Buritis.

Da localização à qualidade

Agora que você sabe que essa Casa de Festas Buritis fica em um lugar bom para você e sua família, é hora de avaliar algumas questões.

  • A casa comporta o número de convidados que tenho?
  • Possui brinquedos suficientes para as crianças?
  • Como é a animação? Tem? Como é?
  • Os brinquedos possuem certificado de segurança?
  • Meu filho(a) pode escolher o tema da festa que ele desejar?
  • Se a festa for para adultos, como as crianças convidadas são direcionadas e orientadas?
  • Como é o serviço de comida? Posso escolher ou é rígido?
  • Existe um buffet bem servido?
  • Por quantas horas posso ficar no salão?
  • O quão a empresa é reconhecida no ramo?
  • Caso não tenha o dia que quero, existem outras casas do mesmo grupo?
  • O meu filho gostou da casa?
  • As pessoas falam bem dessa casa?

Perguntas simples, mas importantes

Parece que essas perguntas são muito simples. Entretanto, é normal vermos pessoas escolherem a Casa de Festas ou pelos brinquedos ou pelo preço. Entretanto, isso pode gerar situações não muito boas. Estar totalmente seguro quanto ao lugar para passar uma data especial com amigos e família não tem preço.

Inclusive, já conhece a nossa unidade na Buritis? Veja mais aqui!

Curso para criança: como escolher?

Com tantas opções disponíveis de atividades extracurriculares, é comum tanto os pais, quanto os filhos, ficarem em dúvida em qual curso para criança escolher. Quando os pais escolhem por elas, é comum que as crianças se sintam pressionadas em participar de atividades que não se interessam tanto. Por exemplo: sabemos que nossa cultura adora esportes. Mas e se seu filho não for do tipo atlético? E se seu filho quiser jogar xadrez em vez de futebol? É natural sentir alguma decepção quando nossos filhos não seguem um caminho que escolhemos para eles (tema para um próximo post). Porém, quando passamos dessa fase de projeção e estudamos como escolher o melhor curso para criança, tudo flui naturalmente.

Por isso, nós da Casa do Sol separamos algumas dicas de como escolher a atividade perfeita para seu filho.

Dicas para ajudar a escolher o curso para criança

Lembrando que, naturalmente, são sugestões.

Pense nos interesses e nas habilidades naturais de seu filho.

Se você era o craque do futebol ou a primeira bailarina, provavelmente sonha com seu filho seguindo seus passos e escolhendo o mesmo esporte ou atividades extracurriculares. Esses sonhos podem se tornar realidade – ou não. Tente realmente “ver” seu filho.

O que ela/e quer fazer? Quais são seus dons naturais?

As expectativas dos pais que não correspondem ao verdadeiro eu da criança podem causar muito sofrimento para os pais e para a criança.

Outro problema comum é a pressão dos colegas. Os pais sentem a pressão dos colegas, assim como os filhos. Talvez todas as crianças do grupo social de sua família joguem futebol, mas seu filho não tem interesse. Você força seu filho a brincar ou encontra outras maneiras de se conectar com os amigos da família? Deixe ele ser como quiser. Provavelmente ele saberá escolher melhor que você.


Ofereça orientação gentil na hora de opinar sobre o curso para criança

Ao mesmo tempo, se você notar que seu filho está se esquivando do curso para criança que você ofereceu a ele, converse. Não force. Sugira que sua filha “artística” experimente caratê ou que seu filho “hiperativo” experimente a guitarra. Você pode até procurar algo fora da zona de conforto do seu filho que vocês possam experimentar juntos, como matricular-se em aulas para pai e filha.


Considere as prioridades.

É fácil se deixar levar pela emoção dos eventos esportivos ou culturais da juventude, mas fique de olho no panorama geral também. O que você quer que seu filho “ganhe” com uma atividade? Você quer que essas atividades ajudem a construir amizades, preparo físico, auto-estima, ética de trabalho? Muitos tipos diferentes de atividades extracurriculares desenvolvem essas habilidades. Correr e tocar guitarra, por exemplo, são ótimas formas de exercício para uma criança que não ama esportes coletivos. Ao manter o panorama geral em mente, você evitará a visão de túnel e poderá abraçar mais prontamente as escolhas de seu filho.


Experimente novas atividades.

Quando as crianças chegam ao ensino fundamental e médio, geralmente optam por alguns esportes ou atividades extracurriculares em que se destacam, mas não force esse processo muito rapidamente. Os primeiros anos do ensino fundamental são uma ótima época para as crianças explorarem uma variedade de atividades. Experimente vários cursos, por exemplo, da Casa do Sol Criativa. Por meio da experimentação, os pais podem ajudar os filhos a encontrar as atividades pelas quais são apaixonados.

Inscreva seu filho em um curso para criança agora mesmo

Nós da Casa do Sol sabemos que, por vezes, é complicado conseguir escolher a atividade certa para seu filho. Por isso, nós fizemos uma seleção de cursos fantásticos – todos no sistema de Gamificação – para que seu filho aprenda brincando. Saiba mais no nosso site: Casa do Sol Criativa. Estamos esperando por vocês.

A melhor Casa de Festas em BH

Sim, esse é o lugar certo. Imagine uma empresa há mais de 20 anos fazendo as mais variasdas festas, para as mais variadas idades. Claro, sempre com grau de excelência. Essa é a Casa do Sol: a melhor Casa de Festas em BH. Seja para criança ou adulto, a Casa do Sol tem o que você precisa para transformar uma data especial em uma data mágica.

Como escolher uma Casa de Festas em BH

Sabemos que procurar uma casa de festas em BH não é simplesmente jogar no Google e escolher a primeira que aparecer. Ao contrário, é preciso saber a história, a infraestrutura, a segurança e muito mais.

Quando for escolher o espaço para sua festa, tenha em mente os seguintes pontos:

  1. Experiência no ramo: A Casa do Sol, por exemplo, possui mais de 20 anos de existência;
  2. Infraestrutura: Como são os brinquedos? E a segurança deles? Existe mais de uma Casa para escolher? A Casa do Sol possui 3: Luminis, Cidade Nova e Buritis! Todos com certificados de segurança.
  3. Essência: Veja se o lugar é realmente preocupado no servir. Isso é crucial para saber se ele irá fazer 101% para seu dia ser mágico.
  4. Testemunhos: Pergunte. Veja se o lugar é conhecido. Opiniões não mentem.
  5. Expansão de negócio: Eles só se preocupam em vender festa? Ou será que se preocupam com, por exemplo, educação? Nós da Casa do Sol, por exemplo, temos a Casa do Sol Criativa, Fashion e muito mais que vem por aí. É se preocupar em fazer da sua vida melhor em vários aspectos.

Casa do Sol não é apenas uma Casa de Festas em BH: é um complexo

Imagine você poder escolher onde irá fazer sua festa. Temos três opções:

Cidade Nova

Ela está renovada. Cheia de brinquedos novos, esperando você e sua família para se divertirem como nunca. Nós construímos a Cidade Nova com uma infraestrutura moderna e sofisticada.

Saiba mais aqui.

Preparados para o elevador? Só na Cidade Nova!

Buritis

A Casa do Sol Buritis é IMENSA. Sim, há espaço de sobra para brincar, correr… se divertir. Aqui já passaram tantas festas, que provavelmente você conhece alguém que já esteve por aqui.

Saiba mais aqui.

Buritis: Uma das Casas de Festas em BH mais queridinhas

Luminis

Luminis Urban Play é ao lado da Casa do Sol é a maior referência em casa de festas em bh. Objetivando oferecer um serviço e estrutra cada vez mais diferenciado houve, em 2016, a incorporação da marca ao grupo. O Luminis é sinônimo de qualidade, alto nível de serviço e estrutura única que surpreende até aos mais exigentes. Capacidade para até 500 pessoas e mais de 30 brinquedos. Demais, né?

Saiba mais aqui.

Fotografo de Festa Infantil em BH – Miguel

Já escolheu a sua casa de festas em BH preferida?

Conta para a gente nos comentários como foi a sua experiência na Casa do Sol! Sabemos que ela é a sua preferida. 😎

E caso ainda não conheça nosso espaço, não perca tempo! Temos poucas datas disponíveis!

Clique aqui e peça seu orçamento.

A Escola de Música Infantil é importante para seu filho

Inscrever seu filho em uma escola de música infantil é um passo importante no processo de amadurecimento e aprendizagem. Tanto para você, quanto para ele. A música é plural: não tem idade, sexo e orientação. Todos podem aprender com ela: ela é o cimento social que nos liga, que nos faz entender que somos uma cultura. Não por acaso, a música está em presente em quase todos os lugares: teatro, televisão, filmes, religiões, festas e por aí vai. Em casa, a música pode se tornar parte da cultura de nossa família como uma forma de autocuidado, autoconhecimento e aprendizagem. Por isso, a escola de música para crianças é uma realidade para muitos pais que desejam que seus filhos cresçam com uma boa bagagem cultural e musical.

Muitas vezes, os pais utilizam-se da música como aliada no desenvolvimento de seus filhos sem perceberem. Desde o nascimento de suas crianças, é normal vermos pais usando canções para acalmar seus filhos, expressar amor, alegria e para criar interação com os amiguinhos. Se a música faz isso instintivamente, imagine o seu filho aprender a tocar a sua música preferida. Além da felicidade intrínseca a realizar esse feito, existem muitos outros benefícios que vão desde o funcionamento do cérebro a até habilidades sociais.

Vem que vamos te explicar.

Música e Cérebro | a relação na escola de música infantil

Um estudo de 2016 do Instituto de Cérebro e Criatividade da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, descobriu que as experiências musicais na infância podem realmente acelerar o desenvolvimento do cérebro, particularmente nas áreas de aquisição de linguagem e habilidades de leitura.

De acordo com a National Association of Music Merchants Foundation (NAMM Foundation), também dos Estados Unidos, aprender a tocar um instrumento pode melhorar o aprendizado matemático e até mesmo aumentar as pontuações nas provas da escola.

Contudo, o desempenho acadêmico não é o único benefício da educação musical provida pela escola de música para crianças. Ela estimula todas as áreas do desenvolvimento infantil. São habilidades que será refletida na escola. Exemplos: alfabetização intelectual, socioemocional, motora e linguística.

Além disso, aprender a tocar um instrumento ajuda o corpo e a mente a trabalharem juntos. Expor as crianças ao som durante o seu desenvolvimento inicial as ajuda a aprenderem melodias e os significados das palavras e dos sons.

Não podemos esquecer de um ponto importante: a música nos traz alegria. Pense em ouvir uma boa música no carro com a janela aberta em um dia lindo. Ou seja: isso é alegria.

Dessa forma, confie: seu filho irá agradecer.

Escola de Música Infantil : uma escolha para todas as idades

Sem contar todos os benefícios listados anteriormente, inscrever seu filho em uma escola de música infantil ajuda-o em diversos outros aspectos. Por isso, listaremos as 6 principais:

Aumenta as habilidades de memória

Aprender um instrumento ensina uma criança a criar, armazenar e recuperar memórias de forma mais eficaz. Um vídeo do TED-ED explica isso. Nele, vemos como tocar um instrumento é um treino intenso para o cérebro. Não por acaso, até em hospitais utiliza-se música-terapia para crianças enfrentarem suas dores e tratamentos.

Ensina perseverança e cria um senso de realização

É fato: saber tocar um instrumento em uma escola de música infantil é a maneira mais rápida de aprender essa habilidade. Afinal, isso exige tempo, paciência e prática. Nada como um(a) professor(a) do lado auxiliando. Por isso, durante as aulas de música, o/a professor(a) estabelecerá metas de curto e longo prazo. Com isso, à medida que a criança atinge seus objetivos, ela sente uma sensação de realização e orgulho.

Melhora a Coordenação

Tocar um instrumento requer que o cérebro trabalhe em velocidades avançadas. Dessa maneira, ler a partitura de uma música é converter no cérebro informação para movimento. Aqueles que tocam melhoraram a coordenação olho-mão em relação aos que não tocam.

Melhora as habilidades de leitura e compreensão

Não é apenas tocar “de ouvido”. Mais do que isso: é preciso aprender a ler a partitura. Ou seja: compreender. Dessa forma, crianças e adolescentes precisam identificar uma nota na página e reconhecer qual nota (altura) tocar em seu instrumento. Além disso, elas precisam saber (por ouvido) se estão tocando certo. Por isso, numa escola de música infantil há um aprendizado em como ler e compreender, verdadeiramente. Com isso, o aprendizado se refletirá na escola, evidentemente.

Cria Responsabilidade

A maioria dos instrumentos requer algum tipo de manutenção ou conservação. Isso pode ser qualquer coisa, desde lubrificação, ajuste, afinação e limpeza. Por isso, incentivar as crianças a manter o controle da manutenção regular dos instrumentos cria um certo nível de responsabilidade para elas. Assim, quando são responsáveis por algo, é mais provável que cuidem sozinhos disso, sem que os pais tenham que lembrá-los. Dessa forma, na escola de música infantil normalmente aprende-se a como afinar um instrumento.

Encoraja seu filho a se expressar mais

As crianças que aprendem a tocar um instrumento são capazes de se encontrar. Ou seja: de falarem o que realmente gostam. Com isso, ela conseguem se expressar melhor. Na verdade, um dos benefícios surpreendentes da música é mostrar para a criança que ela pode e deve se expressar. Dessa forma, ao aprender isso ela saberá também como mostrar seus sentimentos, por vezes complexos. Seja falando, conversando ou… pela música.

É encontrar uma maneira de mostrar ou tocar o que estão sentindo durante sua vida.

Como encontrar uma escola de música infantil

Agora que você já sabe os principais benefícios de inscrever seu filho em uma escola de música infantil, a seguinte pergunta pode vir: ok, mas onde eu encontro? Antes de jogar no google, temos uma sugestão.

A Casa do Sol agora é também a Casa do Sol Criativa. Por isso, como sabemos a importância desse desenvolvimento musical infantil, vamos oferecer em nossas Casas aulas de música para seu filho. Dessa forma, é só adquirir o pacote de aulas para seu filho. Ou seja: ele estará em um ambiente feito para crianças, com alegria e diversão.

Quer saber mais? Veja nossos cursos disponíveis agora mesmo (são poucas vagas!).

Quem inventou a coxinha?

Nas festas aqui na Casa do Sol o que não falta é comida e salgados. E um dos cargos-chefes de qualquer festa – seja ela para criança ou adulto – é a coxinha, claro! Não apenas por aqui na Casa do Sol, mas a coxinha parece uma propriedade cultural brasileira. Não importa onde estivermos, principalmente no Sudeste, sempre podemos achar esse salgado. Agora, também encontramos variações para vegetarianos e veganos… Contudo, você sabe quem inventou a coxinha? Afinal, quem pensou em fazer um purê, rechear de frango, empanar e fritar? E porque em formato de gota?

Vem que a gente vai te contar.

Quem inventou a coxinha não foi um(a) brasileiro(a)

Pois é, apesar de ser praticamente uma propriedade cultural brasileira, ao que tudo indica quem inventou a coxinha não foi um brasileiro. Segundo professores de gastronomia da Universidade Anhembi Morumbi, a coxinha é uma adaptação de uma receita francesa (uh lala!). Existem referências de uma receita parecidíssima em uma obra do famoso chef francês Antonin Carême (1784 – 1833), escrita no ano de 1843, em Paris.

Mas para cruzar o oceano e fazer tanto sucesso aqui não levou muito tempo.

A coxinha no Brasil

A história mais famosa sobre quem inventou a coxinha no Brasil é da escritora Nadir Cavazin. Ela conta em seu livro Histórias e Receitas que a coxinha teria sido criada pela primeira vez no Brasil na cidade de Limeira, em São Paulo, no século 19. Nadir conta que:

Diz a lenda que a nobreza imperial escondia um menino na Fazenda Morro Azul. Ele seria filho da Princesa Isabel, herdeira do Império do Brasil, e do Conde D’Eu e seria mantido longe da corte porque era tinha deficiência mental.

Essa criança exigia cuidados intensos na alimentação e era muito “chato” para comer. Ele só comia coxas de galinha. Os outros pedaços da ave, como peito e asas, eram rejeitados e servidos às outras pessoas.

Certa vez, a cozinheira da fazenda não tinha número suficiente de coxas de frango para o menino e, com medo de represálias, resolveu transformar uma galinhada inteira em coxas. Ela preparou uma massa de batatas, desfiou o frango e recriou uma coxinha de galinha. Para a surpresa, o filho da princesa amou o quitute e passou a pedir apenas pela tal “coxinha de galinha”.

Com a fama, até a imperatriz Teresa Cristina teria ido a Limeira para experimentar o famoso quitute adorado pelo neto. Ela gostou tanto que solicitou que o modo de preparo fosse fornecido ao mestre da cozinha imperial, no Rio de Janeiro.

Apesar da história ser boa, não existem documentos oficiais sobre isso. Por isso, surgiu uma outra versão.

A outra versão

No começo da década de 20, em São Paulo, havia uma intensificação da industrialização na região das cidades do ABC Paulista. Os operários precisavam se alimentar bastante e gastando pouco. O usual era fazer o almoço em barraquinhas dos vendedores ambulantes na frente das fábricas, que vendiam pedaços fritos de frango (aparentemente barato): como coxa, sobrecoxa e peito.

Em uma entrevista, o professor de gastronomia Paulo Veríssimo conta:

“O tempo não preservou o nome da pessoa, mas alguém teve a inusitada ideia de desfiar a carne do frango, envolver numa massa de batata, modelar na forma de uma coxa, fritar em óleo quente e em seguida vender em frente às fábricas. Nem precisa comentar que foi um enorme sucesso. E assim foi até a década de 1950, tanto aqui em São Paulo, quanto no Paraná. Na década de 1970, em Belo Horizonte, foi incorporado ao salgadinho o recheio de requeijão cremoso, caindo também no gosto popular

Sim, nós aqui de Minas que colocamos requeijão na coxinha!

A conclusão: quem, afinal, inventou a coxinha?

Bom, não há conclusão. Afinal, existem diversas formas de se fazer o quitute. O importante é que, aqui na Casa do Sol, ela é INACREDITÁVEL.

Faça sua festa aqui e Venha provar.

É COVID-19, gripe ou resfriado?

Seu filho está com dor de garganta, tosse e febre alta. Os tempos andam confusos e nos pegamos pensando: É o COVID-19? Pode ser gripe ou resfriado?

Todas essas doenças são causadas por vírus que infectam o trato respiratório. Todos são contagiosos e podem se espalhar facilmente de pessoa para pessoa. E eles causam alguns sintomas semelhantes. Portanto, pode ser difícil distingui-los.

Aqui estão algumas coisas que você deve procurar se seu filho ficar doente, segundo autoridades internacionais.

Qual é a diferença entre Influenza (Gripe) e COVID-19?

Influenza (gripe) e COVID-19 são doenças respiratórias contagiosas, mas são causadas por vírus diferentes. COVID-19 é causado por infecção com um coronavírus identificado pela primeira vez em 2019. Já a gripe é causada por infecção com vírus influenza.

COVID-19 parece se espalhar mais facilmente do que a gripe. No entanto, à medida que mais pessoas forem totalmente vacinadas contra COVID-19, a propagação do vírus que causa COVID-19 deve diminuir.

Como alguns dos sintomas da gripe, COVID-19 e outras doenças respiratórias são semelhantes, a diferença entre eles não pode ser feita com base apenas nos sintomas. O teste é necessário para dizer qual é a doença e para confirmar o diagnóstico. As pessoas podem ser infectadas com a gripe e o vírus que causa o COVID-19 ao mesmo tempo e ter sintomas da gripe e do COVID-19.

Embora se aprenda mais a cada dia sobre o COVID-19 e o vírus que o causa, ainda há coisas, como condições pós-COVID, que são desconhecidas.

O resfriado comum (causado por muitos vírus diferentes)

Os sintomas do resfriado geralmente são leves. Eles costumam incluir coceira na garganta, nariz escorrendo ou entupido e espirros. Se houver febre, não é alta. Uma criança resfriada geralmente se sente muito bem, tem bom apetite e níveis de energia normais.

Não há teste para o resfriado comum e nenhum tratamento específico. Ele só precisa seguir seu curso.

A gripe (causada pelo vírus da gripe)

A gripe também pode ser leve. Normalmente, porém, as crianças com gripe se sentem pior do que se estivessem resfriadas. Eles podem ter febre repentina, calafrios, dores de cabeça e dores no corpo. Eles podem ter dor de garganta, coriza e tosse. E eles se sentem geralmente miseráveis ​​e cansados ​​e não têm muito apetite. Algumas crianças têm até dores de barriga, náuseas, vômitos ou diarreia.

O médico pode verificar se alguém está gripado, fazendo um teste para detectar o vírus da gripe.

A maioria das crianças com gripe melhora em casa com a ajuda da ingestão de muitos líquidos, descanso e carinho dos pais. Em alguns casos, o médico pode prescrever um medicamento antiviral para aliviar os sintomas e abreviar a doença.

Muitos casos de gripe podem ser evitados com a vacinação anual contra a gripe.

COVID-19 (causado por um tipo de coronavírus)

Crianças infectadas pelo coronavírus podem não apresentar sintomas, ou seus sintomas podem ser leves, como os de um resfriado comum. Apenas algumas crianças apresentam sintomas semelhantes aos da gripe mais graves.

Para ver se alguém tem coronavírus, os médicos podem fazer um teste para detectar uma parte do vírus no trato respiratório. Eles também podem verificar se há uma infecção anterior, fazendo um exame de sangue para detecção de anticorpos.

Não há medicamento específico para COVID-19. A maioria das pessoas melhora em casa com bastante líquido, descanso e conforto. Algumas pessoas ficam muito doentes e precisam de tratamento no hospital.

As vacinas COVID-19 estão agora disponíveis para pessoas com 16 anos ou mais. Os profissionais de saúde e as pessoas com alto risco de ficarem muito doentes, caso estejam infectadas, foram os primeiros na fila para serem vacinados. Outros adultos e adolescentes com 16 anos ou mais podem tomar a vacina na primavera e no verão de 2021. Estudos estão em andamento para verificar se as vacinas são seguras e eficazes em crianças menores de 16 anos.

Quando devo chamar o médico?

Se você tiver dúvidas ou perguntas, é melhor ligar para o seu médico. Uma doença que parece um resfriado pode ser uma gripe ou COVID-19. E outras doenças, como faringite estreptocócica ou pneumonia, podem causar sintomas semelhantes, mas precisam de tratamento diferente. Às vezes, é difícil saber ao certo qual germe está causando o problema. Então, os médicos podem fazer alguns testes para descobrir.

Obtenha cuidados médicos imediatamente se o seu filho:

  • parece estar piorando
  • tem dificuldade para respirar
  • tem febre alta
  • tem uma forte dor de cabeça
  • está com dor de garganta
  • parece confuso
  • tem fortes dores de barriga
  • tem dor ou pressão no peito
  • tem problemas para ficar acordado
  • apresenta lábios ou rosto roxeados

Ligue para o seu médico imediatamente se seu filho tiver asma ou outra doença e começar a se sentir mal com sintomas que podem ser gripe ou COVID-19. O médico pode querer fazer alguns testes ou iniciar um medicamento específico para a gripe.

O que os pais podem fazer no caso de covid-19, gripe ou resfriado?

As etapas comuns que ajudam a prevenir a propagação de germes também funcionam bem contra o resfriado comum, a gripe e o COVID-19. É sempre bom:

  • Lave bem as mãos com frequência. Lave por pelo menos 20 segundos com água e sabão ou use um desinfetante para as mãos com pelo menos 60% de álcool.
  • Limpe as superfícies que são muito tocadas (como maçanetas, balcões, telefones, etc.).

Durante a pandemia de coronavírus, todos em sua família também devem:

  • Evitar aglomerações em locais muito pequenos;
  • Usar máscara quando estiver em público (todos os adultos e crianças com mais de 2 anos).
  • Tentar não tocar em seus olhos, nariz ou boca.
  • Tomar a vacina contra a gripe todos os anos (para qualquer pessoa com 6 meses de idade ou mais).
  • Receber uma vacina COVID-19 assim que for elegível.

Ao tomar essas precauções, evitaremos o contágio desses vírus. Não por acaso, os casos descem e as vacinas sobem!

Como surgiu o Parabéns a Você?

A canção que mais ouvimos aqui na Casa do Sol você já deve saber qual é: Parabéns a você… Nesta data querida, muitas felicidades… Muitos anos de vida! Entretanto, se você assiste filmes estrangeiros ou até mesmo já participou de um aniversário fora do Brasil, deve ter notado que por lá eles cantam bem diferente de nós. É basicamente um: Feliz aniversário… Feliz aniversário… E por aí em diante. Então, oras, da onde veio esse Parabéns a você versão brasileira?

Vamos te contar agora. A história é mais fofa do que você possa imaginar!

Da onde surgiu Parabéns a você?

Algumas canções parecem que sempre existiram e não nos perguntamos nem quem fez, em qual situação e quando. A melodia que cantamos aqui é a mesma do que a lá de fora. Essa melodia do Parabéns a você foi criada pelas irmãs americanas Mildred e Patricia Smith Hill em 1893 (veja, nem faz tanto tempo assim!).

A Patricia, ou Patty para os íntimos, era professora de primário em uma pequena cidade chamada Lousville, nos Estados Unidos. A composição original era apenas um bom dia animado “Good Morning to All”. Essa melodia “pegou”, se espalhou pela cidade e, em 1924, a versão de aniversário no livro “Celebration Songs”, de Robert Coleman. Entretanto, o grande responsável pelo boom da canção foi um musical da Broadway intitulado “Happy Birthday to You”, em 1933. A diferença era que eles repetiam “Parabéns a você” três vezes e, ao final, falavam “dear”(Querido) e o nome do aniversariante.

Após o musical a canção tornou-se a mais popular dos Estados Unidos e aí a sua autoria começou a ser questionada. Pessoas julgavam Happy Birthday to You como de domínio público, porém, em 1933, ao ficar sabendo do musical, a irmã mais nova de Mildred e Patty, Jessica Hill, entrou com uma ação pelos direitos autorais. Ela conseguiu provar a ligação da música com Good Morning to All e compartilhou os direitos com a editora que publicou a canção pela primeira vez.

Curiosidade: Até 2015, a versão em inglês da canção rendia US$ 2 milhões de dólares por ano em royalties.

Ok, mas e o Parabéns a Você no Brasil?

Ainda na década de 30 a canção chegou me solo tupiniquim. Porém, ainda era cantada em inglês. Sim! Nas casas das famílias dos centros urbanos – que tinham conexões com conteúdos que vinham fora do Brasil – o Parabéns a você era cantado em inglês.

Apenas em 1942 que isso mudou. O radialista Almirante, da rádio Tupi, promoveu um concurso para escolher uma letra que cansasse com a melodia do “Happy Birthday to You”. Foram muuuitas letras enviadas. Os jurados? Ninguém menos que os membros da Academia Brasileira de Letras.

Quem ganhou foi Bertha Celeste Homem de Mello (1902-1999), de Pindamonhangaba, São Paulo. Bertha era uma assídua desses concursos das rádios, comuns na época.

A versão original de Bertha de Mello é:

“Parabéns a você

Nesta data querida

Muita felicidade

Muitos anos de vida”

Dona Bertha, como era chamada, até os últimos anos de sua vida irritava-se quando alguém cantava errado um trecho de sua versão. O correto é “Parabéns a você”, e não “pra você”, e “muita felicidade”, no singular.

A história dos aniversários

Você já se perguntou onde começou a comemoração dos aniversários? Em termos mais simples, é o momento de amigos e familiares se reunirem e celebrar você, o aniversário de seu nascimento e mais um ano de sua vida sob seu cinto.

Mas há muito mais do que isso.

Tem evoluído constantemente, transformando-se no que sabemos que é hoje e em casas específicas para isso: como a Casa do Sol!

Reunimos as hipóteses de vários historiadores, tornando esta grande parte de nossa cultura um pouco mais compreensível.

A história da comemoração dos aniversários

1. Os aniversários não começavam até que os calendários fossem criados.

As primeiras civilizações não tinham como controlar o tempo a não ser usando a lua, o sol ou algum outro evento importante. Isso tornava difícil para eles prestarem atenção ao aniversário de nascimento de uma pessoa.

Com o passar do tempo, todos perceberam que todos experimentaram os efeitos do envelhecimento, eles simplesmente não tinham como marcar um marco especial para isso.

Não foi até que os povos antigos começaram a notar os ciclos da lua que eles começaram a prestar atenção à mudança nas estações também. Eles também notaram que esse padrão se repetia continuamente. Começaram, assim, a marcar essas mudanças no tempo.

Foi isso que deu origem aos primeiros calendários, que marcavam as mudanças de horário e outros dias especiais. A partir desse tipo de sistema de rastreamento veio a capacidade de comemorar aniversários e outros eventos e aniversários significativos a cada ano.

2. Tudo começou com os egípcios.

Os eruditos que estudam a Bíblia dizem que a primeira menção de um aniversário foi por volta de 3.000 a.C. e foi em referência ao aniversário de um Faraó. Mas um estudo mais aprofundado implica que este não foi seu nascimento no mundo, mas seu “nascimento” como um deus.

Quando os faraós egípcios foram coroados no antigo Egito, eles foram considerados transformados em deuses. Este foi um momento em suas vidas que se tornou mais importante do que até mesmo seu nascimento físico.

Pagãos, como os gregos antigos, acreditavam que cada pessoa tinha um espírito que estava presente no dia de seu nascimento. Este espírito vigiava e mantinha uma relação mística com o deus em cujo aniversário aquele indivíduo em particular nasceu.

“Agora, o terceiro dia era o aniversário do Faraó, e ele deu uma festa para todos os seus oficiais. Ele ergueu as cabeças do copeiro-chefe e do padeiro-chefe na presença de seus funcionários: Ele devolveu o copeiro-chefe à sua posição, para que mais uma vez colocasse o copo nas mãos do Faraó. ” – Gênesis 40: 20-22

Não apenas podemos ver a menção clara de um aniversário, mas também de uma típica festa de aniversário. O faraó está reunindo todos os seus oficiais para um banquete em sua homenagem. Ele também participa da antiga tradição de restauração em dias importantes, elevando o copeiro-chefe de volta à sua posição que ele presumivelmente perdeu.

Esta história se passa durante a narrativa de José nos textos hebraicos que foram datados de aproximadamente 1400 AC. Isso significa que a primeira menção a um aniversário chega até nós há mais de 3400 anos.

Apesar das origens antigas da ideia de comemorar o dia do nascimento, esse rito era restrito principalmente aos monarcas que eram vistos como próximos dos deuses. As celebrações para a pessoa média não se tornariam comuns por muitas, muitas gerações mais.

3. Os antigos romanos foram os primeiros a celebrar aniversários para o homem comum (mas apenas para os homens).

A opinião predominante parece ser que os romanos foram a primeira civilização a celebrar aniversários de figuras não religiosas. Os romanos comemoravam aniversários de amigos e familiares, enquanto o governo criava feriados para observar os aniversários de cidadãos mais famosos. Quem comemorava 50 anos receberá um bolo especial feito de farinha de trigo, azeite, mel e queijo ralado. Dito tudo isso, os aniversários femininos ainda não eram comemorados até por volta do século 12.

4. Entre os Cristãos o aniversário não era bem aceito

Foi durante o auge da influência romana que o cristianismo primitivo surgiu na região. Os primeiros cristãos viam as celebrações e festivais de aniversário como uma tradição pagã a ser evitada a todo custo.

O antigo erudito cristão Orígenes chegou a escrever que os bons cristãos deveriam encarar os aniversários com nojo.

Essa perspectiva mudou drasticamente no século IV, com a introdução do Natal no zeitgeist. Vendo a popularidade de festivais romanos semelhantes, a Igreja decidiu criar seu próprio festival semelhante ao mesmo tempo que o enorme festival romano de Saturnália. Assim, o Natal nasceu e foi anunciado como uma celebração de Jesus e seu aniversário foi estrategicamente colocado em dezembro para contrabalançar as festividades romanas existentes que dominavam o mês.

A primeira menção de uma celebração de Natal dentro do Império Romano foi em 336 EC e marcou uma mudança radical nas atitudes cristãs em relação aos aniversários.

5. Mas teve expansão medieval

Apesar de estar em desacordo com a ideia de aniversários no início, é o cristianismo que supervisiona um aumento maciço na comemoração de aniversários em toda a Europa. Durante o período da Antiguidade tardia, os cristãos começam a celebrar o nascimento de Jesus em dezembro e, em seguida, começam a celebrar vários santos e seus nascimentos e mortes.

No período medieval, a maioria dos cristãos europeus tinha um santo padroeiro que eles reverenciavam e celebravam anualmente. As antigas seitas cristãs ainda têm anais de santos antigos com aniversários, dias de morte e dias de festa correspondentes. Este catálogo de santos padroeiros reverenciados é o que abre as portas para o aniversário individual moderno.

Monarcas e outros governantes importantes começam a comemorar seus próprios aniversários pessoais em seus reinos, usando isso como uma desculpa para realizar torneios, celebrações e se aquecer na adoração de seus camponeses.

Neste momento, os europeus comuns estão celebrando ativamente o dia da festa de seu santo padroeiro. Muitas vezes, o aniversário do santo era adotado como seu próprio aniversário e comemorado em conformidade. As antigas tradições romanas e gregas de velas, presentes, reuniões e ofertas foram transportadas para as novas tradições cristãs.

6. O boom da comemoração de aniversários até os dias atuais

À medida que o Iluminismo varreu a Europa, trouxe consigo uma nova fase de individualismo que anunciou o início do aniversário moderno. A combinação do uso generalizado de um calendário universal, ideais de liberdade pessoal e um aumento da riqueza para o homem comum aumentou as comemorações pessoais de aniversário. À medida que o dogma religioso estrito começou a diminuir, as pessoas começaram a comemorar o dia de seu próprio nascimento, em vez do dia do nascimento de seu santo.

À medida que a modernização, o individualismo e a riqueza continuaram a se espalhar pelos séculos XVII, XVIII e XIX, o mesmo aconteceu com a ideia de comemorar o aniversário de alguém. Agora, as famílias tinham os meios de rastrear as datas específicas de nascimento de seus filhos e podiam comemorar com doces como bolo e dar presentes a eles.

Fato que vemos muito aqui na Casa do Sol! Que tal festejar com a gente?