Posts

6 Filmes para mães de primeira viagem

É inevitável. Quando uma família está à espera de uma criança começa uma onda de ansiedade, medo, felicidade, empolgação, dúvidas… Isso tudo junto e misturado. E está tudo bem, nada fora do normal. Contudo, termos histórias que nos motivem a manter a cabeça erguida, a questionar certos padrões e a passar pela maternidade/paternidade de forma tranquila é crucial. Pensando nisso, a Casa do Sol separou 6 filmes para mães de primeira viagem.

E o melhor: estão todos disponíveis online – afinal, existe locadora ainda?

6 filmes para mães de primeira viagem

O Começo Da Vida

O primeiro filme na verdade não é um filme (rs). O Começo da Vida é uma série-documental de 6 capítulos que conta com os depoimentos de diversas mães – incluindo nomes como Gisele Bundchen. Como o próprio nome sugere, a série conta sobre o valor da primeira infância, que é o período da gestação até os 6 anos de vida da criança, e como esses primeiros anos influenciam o desenvolvimento da criança para o resto da vida. Além disso, a direção é de ninguém menos que Estela Renner – diretora de documentários premiados como Muito Além do Pesos e Criança, a Alma do Negócio.

Disponível no Google Play e no Netflix.

Perfeita é a mãe!

Depois de uma série-documental, nada melhor do que dar umas boas risadas para descontrair, não é? Perfeita é a mãe não poderia faltar na nossa lista de filmes para mães de primeira viagem. Você vai conhecer a história de Amy, interpretada por Mila Kunis, que vive se desdobrando em mil para dar conta de seus dois filhos, do seu trabalho e do seu coração. (Já viu essa cena?) Depois de se sentir muito sufocada pela “maternidade perfeita”, ela se joga na vida com duas amigas e descobre que é possível curtir a vida e a maternidade ao mesmo tempo.

Disponível no Netflix.

Não sei como ela consegue

Para quem adora Sexy and the City e a Carrie, já tem uma paixão pela Sarah Jessica Parker… Não sei como ela consegue mostra Parker em uma versão materna. Com uma vida atribulada de profissão, filhos e a não-ajuda-do-marido, ela se vê numa saia justa para alçar voos maiores na carreira. Será que ela consegue? Um filme leve e engraçado, mas que discute sobre profissão e maternidade de um jeito interessante.

Olmo e a Gaivota

Agora um mais “profundo” para a nossa lista de filmes para mães de primeira viagem. Olmo e a Gaivota conta a história de Olivia, uma atriz dedicada que está prestes a encenar junto com seu marido A Gaivota, peça famosa de Tchekov. Prestes a estrear, o casal descobre que Olivia aguarda um bebê. Vemos, então, todo um percurso: da descoberta da gravidez a até o filho completar 9 meses. Um filme-documentário dirigido pela brasileira Petra Costa e pelo dinamarquês Lea Glob que vale a pena. Prepare-se para um filme poético que levanta questões como inseguranças e medos, presentes na maternidade.

Disponível no Google Play.

Juntos pelo acaso

Sabemos que há diversas formas de maternidade/paternidade hoje em dia. Juntos pelo acaso mostra um pouco disso, com toques de muita comédia. A comédia romântica (quem não gosta?) conta a história de Holly e Eric que ficam com a guarda da sua afilhada Sophie. Os dois tinham vidas de solteirões e, bem, não estavam esperando ter que cuidar de uma criança de um dia para o outro. Você já deve imaginar o que acontece… Filminho bom para assistir no final da tarde.

Disponível no Netflix.

Turma do Peito

A série australiana (ops, mais uma série invadiu a nossa lista de filmes para mães de primeira viagem…) exclusiva do Netflix mistura drama e comédia. Você vai acompanhar Audrey, uma mãe de primeira viagem que não quer ser vista apenas como “mãe de”. Para isso, ela busca ajuda em um grupo de apoio para pais e conhece as mais diversas histórias de maternidade. São 7 episódios de 30 minutinhos cada. Vale a pena.

Disponível no Netflix

Os filmes para mães de primeira viagem – ou para qualquer um!

Apesar da nossa lista ser voltada à maternidade, garantimos: os filmes valem a pena! Isso porque não precisamos ser pais/mães para tentar compreender a dificuldade e a alegria de ter uma criança nova na família. Como já dissemos aqui, não há um manual de instrução. Contudo, buscar nos colocar no lugar do outro e entender que as pessoas já passaram por dificuldades parecidas com as nossas pode ajudar a tornar tudo mais leve.

Prepara a pipoca!

Frases para acalmar seu filho – ao invés de dar bronca

Imagina um dia daqueles: louça para lavar, trabalho para entregar, cabelo para fazer, reunião para participar e, no meio de tudo isso, seu filho começa a ter um acesso de raiva ou a chamada “malcriação”. Antes de perder a cabeça, separamos algumas frases para acalmar seu filho ao invés de dar uma bronca.

Nos inspiramos no blog da Renee Jain do BrasilPost!

Frases para Acalmar seu filho é melhor do que dar bronca?

Não importa o que seu filho fizer e a gravidade da “malcriação”. Quase sempre o primeiro impulso é dar uma bronca e falar mais alto, com autoridade. Cansa, é trabalhoso, mas bronca faz parte do processo de crescimento do seu filho. Mas ela só é fundamental quando vem na hora e do jeito certo.

É importante estabelecer limites e dizer não. Porém, também tenha em mente que é intrínseco das crianças descobrirem o mundo e testarem os limites à exaustão. E muitas vezes esses “testes”, aliados com outras questões da rotina, levam os pais a terem um excesso de raiva. Isso porque a bronca não deve ser uma expressão de raiva ou agressividade. A bronca serve para traçar os limites que os pais estabeleceram. Para mostrar para a criança que “dali não se passa”.

Entretanto, a linha é tênue entre educação e agressividade. Afinal, nós também temos que controlar nossas próprias emoções.

Por isso, acalmar seu filho, muitas vezes, pode ser suficiente. Assim, você pode não precisar ir até uma bronca mais severa.

Frases para acalmar seu filho

Pensando nisso, vamos fazer o seguinte exercício: ao invés de uma bronca mais severa e dura, vamos experimentar usar essas frases para acalmar seu filho.

1. Ao invés de: Deu, você está de castigo!

Troque por: Vamos ali para nosso cantinho da calma.

Ao invés de levar seu filho para um “banimento”, tenha um momento junto com ele para se reconectarem.

2. Ao invés de: Coma agora sua comida ou vai ficar com fome!

Troque por: O que será que podemos fazer para deixar a comida mais gostosa?

A responsabilidade também será do seu filho – e nada de ameaças.

3. Ao invés de: Pare de choramingar!

Troque por: Vamos tentar falar isso com uma voz normal?

Por vezes as crianças ficam choramingando/gemendo sem perceber. Quando você fala para elas dizerem com a voz normal, ensinará que a maneira que falamos também é importante.

4. Ao invés de: Quantas vezes vou ter que repetir a mesma coisa?

Troque por: Estou vendo que você não me ouviu da primeira vez. Que tal eu falar para você e você repetir para mim, bem baixinho?

Esse exercício de repetição é importante para a mensagem ser reforçada.

5. Ao invés de: Já para seu quarto!

Troque por: Vou ficar aqui do seu lado em silêncio até você se acalmar.

Isolamento transmite a mensagem de que há algo errado com seu filho. Acalmar seu filho, do lado dele, abre um espaço para a comunicação.

6. Ao invés de: Pare de gritar!

Troque por: Vou fazer de conta que estou pagando velinhas de aniversário. Faz comigo?

De uma maneira bem divertida, faça uma respiração profunda com seu filho. Ela ajudará o corpo a recuperar a calma.

7. Ao invés de: Não vou trocar!

Troque por: Que pena que você não gostou de como fiz… Como você achar que pode ficar melhor?

Mude o foco de atenção do acontecimento e deixe livre o espaço de comunicação.

8. Ao invés de: Não fique bravo(a)!

Troque por: Eu também fico bravo(a) às vezes. Que tal soltar nosso grito de guerreiro para mandar tudo isso embora?

Estudos recentes apontam que gritar (apenas uma vez) e fazer caretas ajuda o cérebro a controlar a raiva e diminuir a dor física. Não por acaso, até a Yoga utiliza essa técnica. Por isso, soltar um grito de guerreiro é uma forma de dissipar essa energia de um jeito divertido.

O que funciona para acalmar seu filho?

Viu como há diversas maneiras de passar a mesma mensagem? Agora queremos saber de você: o que você faz para acalmar seu filho e não partir diretamente para a bronca? Quanto maior a troca, a comunicação e o afeto, melhor será sua relação com seu filho e uma pessoa mais equilibrada ele se tornará.